Pesquisadores criam robô que dobra toalhas de diferentes formas

Habilidade representa um grande avanço na robótica, já que permite a detecção de objetos variados em ambiente não controlado.

root

05 Abril 2010 | 15h29

Se você tem mais de 30 anos, provavelmente se lembra dos Jetsons. E da robô charmosa chamada Rosie que cuidava dos afazeres domésticos. Há tempos os cientistas desenvolvem inúmeros protótipos com o intuito de chegar ao modelo ideal, mas falham em alguns detalhes. Agora, pesquisadores da Universidade de Berkeley deram um passo além construindo uma maquininha que consegue dobrar toalhas.

Parece engraçado, mas, na verdade, esta característica indica um grande avanço em termos de robótica: a atuação em um ambiente que não é altamente estruturado – como as fábricas de montagem de automóveis, por exemplo, em que robôs atuam de forma precisa e repetida.

A automação de tarefas domésticas, como dobrar roupas, envolve perceber e manipular objetos deformáveis. O robô criado pelos pesquisadores consegue dobrar toalhas de inúmeros tamanhos, cores e texturas, primeiro pegando o objeto com um braço e, depois, com o outro. Ele usa um par de câmeras de alta resolução para verificar o objeto e estimar a sua forma. Uma vez que encontra as duas pontas, começa a arrumar, alisando o tecido após cada dobra – formando a pilha perfeita que você tanto gosta de ver no armário.

Jeremy Maitin Shepard, um dos responsáveis pelo trabalho, acredita que a técnica poderá ser usada na indústria robótica. Há tempos os cientistas lidam com o problema de fazer com que os robôs consigam manipular objetos deformados. No trabalho em questão, a equipe conseguiu bolar um esquema pelo qual pontos-chaves são reconhecidos, fazendo com que seu protótipo consiga perceber e manipular objetos não-previsíveis. A técnica se baseia na identificação de estímulos geométricos, mesmo na presença de alterações de aparência e textura.


Veja também:

Transistor orgânico alimenta sonho de computador similar ao cérebro

Geradores minúsculos podem se alimentar de vibrações aleatórias

Olho biônico deixa a ficção para se tornar realidade em breve