Pesquisadores descobrem novas pistas para a criação de vida na Terra

O que apareceu primeiro, o ovo ou a galinha? Se esta questão parece intrigante, imagine explicar de onde veio a energia para a vida.

taniager

25 Maio 2010 | 13h13

Visão microscópica de organismo vivo. Crédito: cortesia da Universidade de Leed.

Visão microscópica de organismo vivo. Crédito: cortesia da Universidade de Leed.

O que apareceu primeiro, o ovo ou a galinha? Perguntas como esta deixam muita gente intrigada e sem resposta. Outra questão do mesmo porte e que também gera muita controvérsia está relacionada com o que aconteceu primeiro para a criação da vida na Terra, a replicação ou o metabolismo?

Apesar de ser difícil responder a esta última questão também, e provavelmente demorará muito tempo ainda até que se possa dar uma resposta a ela,  pesquisadores  da Universidade de Leeds, Reino Unido, descobriram novas pistas para as origens da vida em nosso planeta. Elas envolvem a energia, fundamental para o funcionamento de qualquer organismo vivo. A descoberta foi publicada na revista Chemical Communications recentemente.

A equipe verificou que um composto conhecido como “pirofosfito” pode ter sido uma fonte importante de energia para o desenvolvimento de formas primitivas de vida a partir de matérias inanimadas. 

Animais e plantas necessitam de um fornecimento contínuo de energia para funcionar. Esta energia é transportada dentro de certas moléculas em torno de nossos corpos. O processo mais conhecido de transporte é o do ATP (sigla em inglês de trifosfato de adenosina), que converte a energia em forma de calor proveniente do Sol em energia utilizável pelos seres vivos. A quantidade de ATP utilizada no corpo humano equivale a energia contida em uma bateria de tamanho AA.

O processo do ATP, ou respiração, é orientado por catalisadores naturais conhecidos como enzimas. As enzimas são necessárias para fabricar o ATP e o ATP é necessário para fabricar enzimas. Segundo Dr Terry Kee, líder da pesquisa, a nova pergunta agora é: “de onde veio a energia antes de existir estas duas coisas?”

A resposta pode estar em moléculas simples como a de pirofosfito. Ela é quimicamente muito semelhante ao ATP, mas não necessita de enzimas para a transferência de energia.  Tanto ATP como pirofosfito devem suas propriedades energéticas ao fósforo, um componente ativo muito importante também na constituição da espinha dorsal do ADN e da estrutura da parede celular.

Os pesquisadores sugerem que o fósforo apareceu pela primeira vez em nossa atmosfera trazido por meteoritos que colidiram com a Terra a bilhões de anos atrás. Isto porque,  “o fósforo está presente em vários minerais meteoríticos. É possível que ele tenha reagido para formar pirofosfito em condições ácidas, vulcânicas existentes nos  primórdios da Terra”, acrescenta Dr Kee.

Veja também:
Método permite quebrar e recuperar fragmentos de ligações químicas
Cientistas criam a primeira célula com genoma totalmente artificial
– Mecanismo de reparo do DNA também atua no processo de transcrição