Método pode predizer recuperação da fala após acidente vascular cerebral

Medindo gravidade inicial do dano, médicos podem ser capazes de planejar melhor os tratamentos em curto e longo prazo.

root

24 Junho 2010 | 17h25

O acidente vascular cerebral, conhecido como derrame, pode causar lesões em regiões do cérebro relacionados à função motora e fala.

O acidente vascular cerebral, conhecido como derrame, pode causar lesões em regiões do cérebro relacionados à função motora e fala.

Pesquisadores do NewYork-Presbyterian Hospital e Univesidade da Columbia, nos EUA, desenvolveram uma método para predizer a recuperação da linguagem após um derrame. Medindo a gravidade inicial do dano ao cérebro, médicos podem ser capazes de planejar melhor os tratamentos em curto e longo prazo.

“Estes resultados indicam que, se nós sabemos a extensão do comprometimento inicial do acidente vascular cerebral, então podemos prever com notável precisão a forma como os pacientes vão prosseguir 90 dias depois”, diz Ronald M. Lazar, professor de neuropsicologia clínica em neurologia e cirurgia neurológica. “Nós estabelecemos a primeira métrica atual confiável de acordo com os padrões de cuidados para o tratamento da linguagem pós-AVC”.

Por muito tempo, médicos e pesquisadores associaram a capacidade de recuperação de um paciente que sofreu um AVC pelo dano causado ao cérebro, idade, educação e especificidades do déficit na linguagem. Entretanto, nenhuma métrica havia sido estabelecida.

A equipe testou a função da linguagem entre 24 e 72 horas após o derrame e 90 dias depois. Os resultados mostram que pacientes com afasia (distúrbio da linguagem causada pela lesão no cérebro, caracterizada principalmente pela dificuldade em nomear pessoas ou objetos) leve e moderada aumentaram a capacidade de fala em até 70% em três meses após o AVC se recebem terapia para estimular a linguagem.

Veja também:

Estudo mostra que microvasos podem “limpar” bloqueios no cérebro
Até 30% dos casos de derrame podem envolver jovens e crianças
Substância encontrada no vinho tinto pode proteger contra danos do acidente vascular cerebral
Consumo de chocolate diminui risco de ataque cardíaco e derrame
Médicos podem prever melhor os efeitos do AVC com nova técnica
Terapia recupera toda a função motora em ratos após acidente vascular