Pessoas com mais de 50 gostam de ler histórias negativas de jovens

Ler histórias negativas sobre indivíduos adultos jovens contribui para a autoestima de leitores com idades acima dos 50 anos.

taniager

30 Agosto 2010 | 17h17

Silvia Knobloch-Westerwick argumenta que “velhos e jovens possuem metas diferentes quando usam a mídia, e o estudo mostra o que eles escolhem ler”. Crédito: cortesia da Universidade do Estado de Ohio.

Silvia Knobloch-Westerwick argumenta que “velhos e jovens possuem metas diferentes quando usam a mídia, e o estudo mostra o que eles escolhem ler”. Crédito: cortesia da Universidade do Estado de Ohio.

Ler histórias negativas sobre indivíduos adultos jovens contribui para a autoestima de leitores acima dos 50 anos. Já os jovens preferem não ler sobre pessoas mais velhas.

Este é o resultado de pesquisa realizada pela professora de comunicação Silvia Knobloch-Westerwick da Universidade do Estado de Ohio em coautoria com Matthias Hastall da Universidade de Zeppelin, Alemanha. O trabalho será publicado no Journal of Communication em setembro.

O estudo contou com a colaboração de 276 alemães, dos quais 178 eram adultos jovens (18a 30 anos) e 98 adultos velhos (50 a 65 anos).  Eles foram convidados a ler aquilo que eles pensavam ser uma versão de teste de uma revista online com histórias selecionadas cuidadosamente sobre pessoas mais jovens e mais velhas. Cada história continham duas versões – uma negativa e uma positiva. Apenas uma das versões deveria ser escolhida pelo indivíduo em teste para a leitura.

“Nossos resultados reforçam o argumento de que as pessoas usam a mídia para aprimorar sua identidade social,” disse Knobloch-Westerwick. “Idosos e jovens têm objetivos diferentes quando utilizam os meios de comunicação, e o estudo mostra o que estes indivíduos escolhem ler”. 

A diferença comportamental entre leitores jovens e velhos pode ser explicada pela forma como entendem sua própria identidade, num contexto em que a cultura de nossa sociedade privilegia a juventude.

 Pessoas mais jovens, que são menos certas sobre sua própria identidade, preferem ler sobre outros jovens para ver como eles vivem suas vidas, disse Knobloch-Westerwick. Pessoas mais velhas, por outro lado, tem uma maior certeza sobre sua identidade e procuram histórias negativas de jovens, que são tidos com status mais elevado na sociedade. 

Os resultados mostraram que os participantes mais velhos eram mais propensos a selecionar artigos negativos sobre pessoas mais jovens, mas eles não mostraram uma forte preferência por histórias positivas ou negativas sobre as pessoas do seu próprio grupo de idade. 

Jovens manifestaram interesse baixo nos artigos sobre os indivíduos mais velhos – independentemente de saber se as histórias eram positivas ou negativas. Eles optavam por ler histórias mais positivas sobre sua própria faixa etária que as negativas. 

As autoestimas dos voluntários permaneceram inalteradas nos jovens e aumentadas nos velhos após as leituras no teste, segundo análise de Knobloch-Westerwick.

Veja também:
Causas violentas geram mortalidade mais precoce de homens
Invisível visível: informação verbal melhora a detecção visual
Renda maior traz satisfação maior, mas NÃO garante felicidade
Estudo com centenários mostra que perspectiva feliz prolonga a vida
Idade subjetiva afeta mais habilidade cognitiva do que idade cronológica