Plasticidade da resposta hormonal permite rápida reprogramação

Cientistas descobriram que a resposta ao hormônio andrógeno em células epiteliais da próstata podem ser objeto de reprogramação.

root

16 Maio 2011 | 15h48

Células cancerosas da próstata. Crédito: Wikipedia/Nephron.

Células cancerosas da próstata. Crédito: Wikipedia/Nephron.

Quando se fala em expressão gênica, fala-se sobre o processo por meio do qual uma informação genética codificada no DNA se transforma em um produto gênico final – como uma proteína ou vários tipos de RNA. Até então, cientistas sempre acreditaram que os programas dos genes regulados por diferentes processos fisiológicos eram firmemente pré-determinados e relativamente fixos para cada tipo de célula. Mas um novo estudo da Universidade da Califórnia em San Diego, nos EUA, revela que isso pode ser bem mais maleável do que se supunha.

Em artigo publicado na Nature, a equipe mostra que diferentes programas que regulam os genes podem ser induzidos alternativamente, dependendo das condições no interior da célula. O trabalho ajuda a explicar por que, por exemplo, os mesmo eventos sinalizadores – como a resposta celular ao fluxo de hormônios no corpo – podem ser benéficos em condições normais, mas induzir ao câncer se combinados com lesões genéticas.

Câncer de próstata

Os cientistas descobriram que a resposta ao hormônio andrógeno em células epiteliais da próstata podem ser objeto de reprogramação. Esta plasticidade pode ser a base para o desenvolvimento e progressão de algumas formas de câncer, bem como para a diferenciação celular durante o desenvolvimento. Os resultados da pesquisa também podem explicar como a terapia hormonal aplicada a pacientes com câncer de próstata para bloquear o tumor pode torná-lo ainda mais agressivo.“Tipos de células agressivas, como as encontradas no câncer de próstata, basicamente aprendem a ignorar a terapia hormonal”, diz o co-pesquisador principal do estudo Xiang-Dong Fu, professor no departamento de medicina celular e molecular da universidade.

A equipe focou suas atenções para a baixa regulamentação da expressão de um único fator de transcrição – o FoxA1, sinal desfavorável em certos tumores de próstata avançados. Os pesquisadores apresentaram evidências de que o FoxA1, necessário para o desenvolvimento normal da próstata, pode simultaneamente facilitar e restringir a ligação do genoma do receptor que controla a resposta hormonal. Resultado: a reprogramação da resposta hormonal. De acordo com o time, outros eventos associados a outros tipos de câncer parecem induzir efeitos semelhantes. Os resultados sugerem que terapias destinadas a impedir a alternância de programas alternativos dos genes podem ser mais eficazes do que o simples bloqueio à resposta hormonal.