Proteína híbrida é capaz de cortar DNA em células vivas para reparação

Proteína poderia auxiliar modificando genoma ao cortar “peças” defeituosas ou substituindo segmentos pela recombinação homóloga.

root

30 Agosto 2010 | 15h31

Proteína híbrida poderia auxiliar modificando o genoma: cortando “peças” defeituosas e indesejáveis do DNA ou substituindo segmentos de genes pela recombinação homóloga.

Proteína híbrida poderia auxiliar modificando o genoma: cortando “peças” defeituosas e indesejáveis do DNA ou substituindo segmentos de genes pela recombinação homóloga.

Uma equipe da Universidade Estadual de Iowa, nos EUA, desenvolveu um tipo de proteína híbrida que pode fazer com que a dupla  hélice de DNA seja quebrada em lugares específicos em células vivas. O método pode levar a melhores terapias genéticas.

A equipe desenvolveu a proteína híbrida juntando partes de duas diferentes proteínas bacterianas: uma, chamada efetor TAL, tem a função de localizar locais específicos do gene que necessitam ser cortados; a outra é uma enzima chamada nuclease, que corta as fitas de DNA.

De acordo com os pesquisadores, esta proteína híbrida poderia auxiliar modificando o genoma: cortando “peças” defeituosas e indesejáveis do DNA ou substituindo segmentos de genes pela recombinação homóloga. “Esta descoberta poderá, eventualmente, ser possível modificar eficientemente plantas, animais e até genomas humanos”, diz Bing Yang, professor assistente de genética, desenvolvimento e biologia celular.

A proteína funciona se ligando a segmentos específicos do DNA que o pesquisador deseja modificar, depois de ler a sequência e encontrar lugares a serem cortados. Uma vez que a proteína está ligada ao lugar correto, corta a dupla hélice. Neste processo, códigos genéticos  poderiam ser retirados ou introduzidos.

Veja também:

Genoma da esponja do mar dá novos insights sobre a evolução dos animais e o câncer
Identificadas variantes genéticas para altos níves de triglicérides
Nova análise de DNA revoluciona abordagem de doenças genéticas
Cientistas criam a primeira célula com genoma totalmente artificial