Proteína atua como mediadora da toxicidade no Alzheimer

Junto com as beta-amiloides, ela pode causar os sintomas do mal de Alzheimer, doença degenerativa manifestada por déficits cognitivos.

root

23 Julho 2010 | 18h03

Depósitos de proteínas insolúveis se grudam nos emaranhados neurais de pessoas com Alzheimer.

Depósitos de proteínas insolúveis se grudam nos emaranhados neurais de pessoas com Alzheimer.

Pesquisadores da Universidade de Sydney, na Austrália, descobriram que uma proteína chamada TAU atua como mediadora da toxicidade das beta-amiloides. Juntas, elas causam os sintomas do mal de Alzheimer, doença degenerativa manifestada por déficits cognitivos (como dificuldade de aprendizagem e memória).

A maioria dos medicamentos existentes consegue abrandar modestamente alguns dos sintomas deste tipo de demência. Não há cura. Portanto, os pesquisadores buscam entender melhor a doença para desenvolver tratamentos mais eficazes, já que a causa não é bem compreendida ainda.

Sabe-se que o cérebro de pessoas com o mal de Alzheimer é afetado por placas de proteínas beta-amiloides – depósitos insolúveis que se grudam aos emaranhados do cérebro, prejudicando a atividade neural. A conexão entre a TAU e as redes neurofibrilares já havia sido estabelecida antes, mas apenas agora os pesquisadores conseguiram explicar a associação.

“Sempre se pensou que a TAU era uma proteína exclusivamente focada nos axônios dos neurônios, mas ao mesmo tempo a b-amiloide exerce seus efeitos tóxicos na região dendrítica da sinapse, que está na outra extremidade do neurônio”, explica Jürgen Götz, responsável pelo trabalho ao lado de Lars Ittner.

A equipe descobriu que a TAU é essencial para o posicionamento de outra proteína também: a FYN quinase. Desta forma, torna o neurônio vulnerável à beta amilóide. “Ao excluir a TAU geneticamente ou introduzir uma variante não-funcional da proteína, nós descobrimos que isso poderia impedir o desenvolvimento dos sintomas em modelos de ratos com a doença de Alzheimer”, ressalta Götz. Resultado: os animais mostraram sobrevida normal e a capacidade de memória foi reestabelecida.

Veja também:

“Gene do envelhecimento” é associado ao mal de Alzheimer
Risada dá insights sobre doenças neurodegenerativas como o Alzheimer
Demência em diabéticos é diferente de pessoas não-diabéticas
Altos níveis de vitamina E podem proteger contra o mal de Alzheimer
Mal de Alzheimer: coágulos podem cortar fluxo de sangue para neurônios

Leia mais sobre: alzheimer.