Cientistas desvendam mecanismo relacionado aos tremores nas mãos

Mecanismo na coluna que neutraliza ondas cerebrais que produzem o tremor pode estar desregulado em pessoas com tremores nas mãos.

root

01 Junho 2010 | 17h53

Mecanismo na coluna que neutraliza ondas cerebrais que produzem o tremor pode estar desregulado em pessoas com tremores nas mãos.

Mecanismo na coluna que neutraliza ondas cerebrais que produzem o tremor pode estar desregulado em pessoas com tremores nas mãos.

Não estamos falando apenas de quem tem mal de Parkinson: estamos falando de milhares de pessoas que sofrem diariamente com tremores nas mãos e outros membros e são prejudicadas pelo descontrole motoro. Cientistas da Universidade de Newcastle, no Reino Unido, descobriram em partes o que pode ocasionar esta condição: um mecanismo na coluna que neutraliza ondas cerebrais que produzem o tremor pode estar desregulado.

É claro que mesmo em pessoas saudáveis as mãos podem tremer em situações de estresse, cansaço ou fome. Em algumas pessoas, no entanto, esta condição não dá tréguas. O que os cientistas observaram é que, em todos os indivíduos, o cérebro manda ondas que controlam o movimento em ciclos – o que obrigaria todas as pessoas a tremerem com frequência de segundos. Mas, na maioria, isso não ocorre: há algo no corpo que cancela este impulso.

Experiências com macacos mostram que o cérebro e a medula espinhal mostram atividades rítmicas na mesma frequência do tremor. Contudo, alternadamente, contrariando as oscilações e reduzindo a intensidade do movimento.

“Há muitos tipos diferentes de doenças que causam tremores. Em algumas, talvez o controlador do mau funcionamento da coluna, e isso é o que realmente causa o tremos”, diz Stuart Baker, professor de neurociência do movimento. “Em outras doenças, já sabemos que o problema está no cérebro: certas regiões produzem oscilações anormalmente elevadas. Mas, mesmo assim, o sistema espinal tende a reduzir os tremores, fazendo com que os sintomas sejam bem menos graves do que deveriam”.

Veja também:

Pesquisadores identificam novo mecanismo cerebral que pode estar associado ao Parkinson
Cafeína retarda danos do Alzheimer e restaura funções cognitivas
Células-tronco do útero regeneram células cerebrais danificadas
Consumo de ibuprofeno pode reduzir risco de Parkinson em até 40%
Parkinson é duas vezes mais comum em brancos e hispânicos nos EUA