Ratos carinhosos com a prole desenvolvem novas células cerebrais

Trabalho mostra que interações sociais promovem cérebros saudáveis e que cérebros saudáveis promovem interações sociais positivas.

root

11 Maio 2010 | 17h57

Ao interagirem com prole recém-nascida, ratos desenvolvem novas células no bulbo olfativo – a parte do cérebro responsável pelo cheiro – e o hipocampo – associado à memória.

Ao interagirem com prole recém-nascida, ratos desenvolvem novas células no bulbo olfativo – a parte do cérebro responsável pelo cheiro – e o hipocampo – associado à memória.

Quem vira papai sabe que o nascimento do filho é algo transformador. Mas, nos ratos, este efeito pode ir muito além do coração: pesquisadores descobriram que ratos carinhosos com a prole desenvolvem novas células cerebrais e têm uma memória duradoura de seus filhotes.

O estudo, conduzido por Samuel Weiss, diretor do Hotchkiss Brain Institute, mostra que ao interagirem com a prole recém-nascida, estes animais desenvolvem novas células no bulbo olfativo – a parte do cérebro responsável pelo cheiro – e o hipocampo – associado à memória. Semanas após uma separação, pais roedores reconhecem os filhotes.

Ratos que não têm contato físico com os filhotes logo após o nascimento não são “presenteados” com novos neurônios, além de não lembrarem dos pequenos após uma separação.

A mesma associação já foi feita com seres humanos em pesquisas anteriores, identificando inclusive que homens são mais carinhosos quando o cheiro da criança é familiar. “Nosso trabalho mostra que interações sociais promovem cérebros saudáveis e que cérebros saudáveis promovem interações sociais positivas”, brinca Weiss.

Fica então o conselho aos pais: além de criar filhos mais saudáveis, o contato físico pode ser um combustível para o seu cérebro.

Veja também:

Spray de hormônio oxitocina faz homens ficarem mais sensíveis
Estudo avalia causas e sintomas da chamada depressão “pós-adoção”
Melancolia pode voltar a ser considerada desordem mental grave
Identificada área do cérebro responsável pela “avareza”