Remédio para tratar a tuberculose pode ser nova arma contra autismo

Ratos com desordens semelhantes ao autismo submetidos ao medicamento D-cicloserina passaram a ser tornar sociáveis.

root

08 Dezembro 2010 | 19h46

O autismo é uma disfunção global de desenvolvimento, que afeta a capacidade de comunicação e resposta apropriada ao ambiente.

O autismo é uma disfunção global de desenvolvimento, que afeta a capacidade de comunicação e resposta apropriada ao ambiente.

Pesquisadores da Eastern Virginia Medical School identificaram uma possível nova estratégia de tratamento para o comprometimento social em pessoas com a desordem de espectro autista. Um remédio desenvolvido para tratar a tuberculose transforma ratos antissociais em ratos que interagem com outros.

“Pessoas com a desordem de espectro autista são tanto desinteressadas em relação a interações sociais ou as consideram desagradáveis”, explica Stephen Deutsch, professor de psiquiatria e ciências do comportamento. “Infelizmente, pessoas com a desordem de espectro autista são muitas vezes sofredoras conscientes de sua sociabilidade limitada, o que pode levar a profundos sentimentos de tristeza e frustração”.

Na pesquisa, os cientistas verificam que uma cepa específica de ratos em um modelo válido de sociabilidade limitada – semelhante ao de pessoas com autismo – passava o mais longe possível de outros ratos, não interagindo como animais do grupo de controle faziam. Então, os pesquisadores resolveram testar se um medicamento já existente poderia alterar a função de determinados receptores do cérebro que afetam a sociabilidade: a D-cicloserina, originalmente desenvolvida para tratar a tuberculose mas que, ao longo de testes, mostrou ser capaz de mudar o comportamento social de indivíduos.

Em estudos preliminares, a medicação pareceu ter resolvido os déficits de sociabilidade de ratos “com autismo”. Os animais que receberam o tratamento passaram a ficar perto de outros. Isso deu à equipe a oportunidade de sugerir que talvez a terapia pudesse ser usada para facilitar também a sociabilidade em pessoas com autismo, que evitam tanto o contato visual e físico, como a interação.

Estes indivíduos podem ter a vida muito limitada, especialmente na questão “emprego”.“O que torna isso importante é que pode haver alguém com um QI de 125 ou 130 que está desempregado por causa de suas deficiências sociais”, ressalta Maria Urbano, também uma professora associada de psiquiatria e ciências do comportamento.

A equipe planeja agora um ensaio clínico piloto em pacientes adultos, adolescentes e crianças com autismo para avaliar a forma como o medicamento age em seres humanos. Já se sabe que a droga é segura. Portanto, pesquisadores devem agora observar se há efeitos similares sobre déficits de sociabilidade como ocorrido nos ratos.

Leia mais sobre:

Teste com base biológica consegue detectar autismo com precisão de até 94%
Crianças com autismo podem mentir para proteger sentimento alheio
Mutação que pode explicar risco de autismo em meninos
5 minutos de ressonância podem indicar desordens psicológicas
Histórico familiar nem sempre é bom indicador para autismo e esquizofrenia
Urina de crianças com autismo revela marcas químicas singulares
– Benefícios da dieta do glúten em austistas são colocados em questão
– Proteína “do x frágil” altera sinais do cérebro essenciais ao aprendizado
– Teste de genoma oferece diagnóstico bem mais preciso do autismo
– Pesquisa quer encontrar ligação genética entre autismo e esquizofrenia
– Falha no córtex sensorial explica aversão ao toque de “autistas”
– Relação entre idade da grávida e nascimento de criança com autismo é confirmada

developed