Sonda Cassine completa sua missão na lua Enceladus de Saturno

Cientistas esperam entender a composição e estrutura do interior da lua Enceladus através das imagens enviadas pela sonda.

taniager

02 Maio 2010 | 01h50

A sonda Cassine da NASA capturou esta imagem rara da lua Enceladus de Saturno em 26 de Abril de 2010. Crédito: cortesia do Instituto de Ciência Espacial NASA/JPL.

A sonda Cassine da NASA capturou esta imagem rara da lua Enceladus de Saturno em 26 de Abril de 2010. Crédito: cortesia do Instituto de Ciência Espacial NASA/JPL.

O Laboratório de Propulsão a Jato da NASA divulgou no último dia de abril notícias da sonda Cassini. A sonda completou com sucesso sua observação de 26 horas da gravidade da lua Enceladus de Saturno esta semana. Os dados coletados e enviados pela sonda aos cientistas serão usados para entender a composição e estrutura do interior desta lua.

A sonda Cassini fez um voo rasante através da pluma incandescente rica em água, que sai da região do polo sul da Enceladus, com uma aproximação de cerca de 100 km no final da tarde de 27 de abril, horário do Pacífico.

Uma conexão estável de rádio do Deep Space Network da Nasa para a Terra permitiu que cientistas da Cassini utilizassem o instrumento científico de rádio para medir as variações do campo gravitacional da Enceladus. Os cientistas esperam que a análise das cabeleiras possa revelar se existe um oceano, lago ou grande lago descansando sobre a famosa fratura “listra de tigre”, que expele vapor de água e partículas orgânicas da região polar sul.

Os resultados do experimento também poderão indicar aos cientistas se bolhas de gelo aquecido no interior sobem para a superfície desta região, iluminando-a como iluminam as lavas subterrâneas.

A ciência de rádio foi primordial durante o sobrevoo e controlou a ação da sonda. Os instrumentos óticos não foram focados para Enceladus durante a maior parte do sobrevoo, de modo que a câmara de imagens obteve algumas fotos tiradas de distâncias maiores.

Para realizar medidas precisas, a Cassini desligou seus propulsores. Os propulsores são usados para controlar a altitude durante sobrevoos. Mas, eles adicionam efeitos de aceleração à nave que interferem na precisão das medidas necessárias ao experimento científico de rádio. Por esta razão, a sonda contou apenas com seus rotores de reação.

A missão Cassini-Huygens é um projeto cooperativo da NASA, da Agência Espacial Europeia e a da Agência Espacial Italiana.

Veja também:
Saturno oferece incrível espetáculo duplo: duas auroras que são formadas a cada 15 anos
Fluxos de lavas jovens em Vênus sugerem atividade vulcânica recente
NASA identifica cinco planetas gigantes fora do Sistema Solar
Astrônomos descobrem exoplaneta com características próximas da Terra
Exoplaneta “frio” e similar a Júpiter é identificado pelo satélite CoRoT