Técnica aumenta artérias podendo dispensar ponte de safena

Método não invasivo para tratar doença arterial coronariana age em enzima, fazendo com que vasos aumentem de tamanho - liberando fluxo.

root

11 Março 2010 | 01h24

Ponte de safena utiliza veia da perna para recuperar fluxo de sangue do coração.

Ponte de safena utiliza veia da perna para recuperar fluxo de sangue do coração.

Um novo método para aumentar as artérias pode funcionar como uma ponte de safena natural – maneira não-invasiva de tratar a doença arterial coronariana (causada pelo acúmulo de substâncias gordurosas nas paredes do coração).

Artérias coronárias podem ser bloqueadas por placas, diminuindo o fornecimento de sangue e oxigênio para o coração. Com o tempo esse bloqueio pode levar a dores debilitantes no peito ou ataque cardíaco. Bloqueios graves, em vasos maiores, podem exigir uma cirurgia de revascularização.

No passado, pesquisadores tentaram usar fatores de crescimento – proteínas que estimulam o crescimento de células – para aumentar as artérias, mas o método não foi bem sucedido. Então, pesquisadores da Yale School of Medicine, nos EUA, estudaram ratos e peixes-zebras para simular a formação arterial pelo acionamento e desativação de duas enzimas: ERK1/2 e PI3K.

A equipe descobriu que não há interferência entre as duas, porque uma inibe a outra. Ao desativar o mecanismo inibidor, os pesquisadores foram capazes de fazer artérias crescerem. Para isso, usaram uma droga que tem como alvo a enzima PI3-quinase.

A partir deste novo trabalho, os pesquisadores acreditam que uma nova classe de medicamentos possa ser desenvolvida. O próximo passo agora é partir para ensaios clínicos com pessoas.

O artigo será publicado na edição de abril do Journal of Clinical Investigation.

Veja também:

Marcadores podem indicar evolução da doença de Chagas no coração
Sistema parassimpático pode contribuir para insuficiência cardíaca
Antigo antidepressivo pode reparar danos da insuficiência cardíaca
Excesso de sal: aumento de angiotensina causa hipertrofia do miocárdio