Telescópio revela sinais pré-históricos em nosso quintal intergaláctico

Grupo de pequenas galáxias esperaram 10 bilhões de anos para se encontrarem e agora se preparam para a formação de uma grande galáxia elíptica.

root

19 Fevereiro 2010 | 19h47

Grupo Compacto Hickson 31: pequenas galáxias com milhares de estrelas estão interagindo para a formação de uma nova e grande galáxia. Crédito: NASA, ESA, S. Gallagher (The University of Western Ontario), and J. English (University of Manitoba).

Grupo Compacto Hickson 31: pequenas galáxias com milhares de estrelas estão interagindo para a formação de uma nova e grande galáxia. Crédito: NASA, ESA, S. Gallagher (The University of Western Ontario), and J. English (University of Manitoba).

O telescópio espacial Hubble capturou resquícios pré-históricos em nosso quintal intergaláctico. Astrônomos identificaram um grupo de pequenas galáxias que esperaram 10 bilhões de anos para se unirem. Mas, de “caidinhas” elas não têm nada: estão se preparando agora para a construção de uma grande galáxia elíptica.

Encontros como este, entre galáxias anãs, são vistos normalmente numa distância de bilhões de anos-luz e que, portanto, ocorreram há bilhões de anos. Estas galáxias, no entanto, integrantes do Grupo Compacto Hickson 31, estão relativamente próximas: apenas 166 milhões de anos-luz.

As novas imagens oferecem a oportunidade de “ver” um fenômeno comum durante os anos de formação do universo, quando grandes galáxias eram criadas a partir de blocos menores. Observações detalhadas fornecem pistas importantes para a história da interação entre as partes, permitindo determinar quando o encontro começou. É possível também prever quando ocorrerá a fusão.

O sistema é constituído por estrelas mais velhas, de antigos aglomerados, com cerca de 10 bilhões de anos. O encontro, porém, tem se arrastado por cerca de algumas centenas de milhões de anos – algo que pode ser considerado como um piscar de olhos na história cósmica.

Em qualquer canto do grupo compacto que se olhe, há lotes de aglomerados de estrelas e regiões jovens – repletas de estrelas nascendo. O Hubble ainda revelou que os mais brilhantes clusters, grupos pesados que ‘seguram’ pelo menos 100 mil estrelas, têm menos de 10 milhões de anos.

Todo o sistema é rico em hidrogênio, material que forma as estrelas. Os astrônomos usaram uma câmera avançada do telescópio para explorar as mais jovens e brilhantes estrelas destes aglomerados, o que permitiu calcular a idade dos clusters, traçar a história da formação das estrelas e concluir que as galáxias estão passando por uma fase final da estruturação da nova galáxia. Um verdadeiro espetáculo cósmico.

Veja também:

Aurora de Saturno é espetáculo em dose dupla
Pequenos telescópios terrestres podem “aumentar” pequenos detalhes do espaço
Valsa diabólica: buraco negro mais distante da Terra é detectado “engolindo” estrela
Astrônomos identificam explosão de supernova sem detectar raios gama
Detectado novo “fóssil” estelar deixado por supernova
Apenas 15% dos sistemas solares são como o nosso no universo
Explosão de estrela gigante indica a presença de antimatéria no espaço