Telescópio UVOT mostra galáxia de Andrômeda com detalhes nunca vistos

O ultravioleta seleciona os braços espiralados onde nascem estrelas jovens quentes.

taniager

29 Outubro 2010 | 02h08

O Grupo Local é um conglomerado ligando gravitacionalmente cerca de 30 galáxias, incluindo a Via Láctea e Andrômeda. A imagem foi tirada como parte do programa. Crédito: NASA/Swift Mission; Andromeda Galaxy imaged by UCL telescope, courtesy of NASA/Swift/Stefan Immler (GSFC) and Erin Grand (UMCP).

O Grupo Local é um conglomerado ligando gravitacionalmente cerca de 30 galáxias, incluindo a Via Láctea e Andrômeda. A imagem foi tirada como parte do programa. Crédito: NASA/Swift Mission; Andromeda Galaxy imaged by UCL telescope, courtesy of NASA/Swift/Stefan Immler (GSFC) and Erin Grand (UMCP).

Cientistas espaciais na Universidade de Londres (UCL), Reino Unido, trouxeram a galáxia Andrômeda em foco com uma imagem em ultravioleta com a mais alta resolução jamais conseguida.  A galáxia é o objeto mais distante visível ao olho nu.

A imagem – a mais detalhada já tirada de Andrômeda no ultravioleta – foi construída a partir de 330 imagens individuais em três cores de ultravioletas, apresentando aproximadamente 20 mil fontes. O ultravioleta seleciona os braços espirais onde nascem estrelas jovens quentes.

“A imagem é realmente espetacular – a melhor já tirada em ultravioleta desta galáxia que é um ícone, muito similar a nossa galáxia e uma companhia para a nossa Via Láctea. A luz ultravioleta tende a mostrar o material mais quente e enfatizar regiões de formação estelar e estrelas jovens” diz Alan Smith, diretor do MSSL da UCL.

O instrumento UVOT no Centro de Voo Espacial Goddard, pouco antes de ser integrado ao satélite Swift. UVOT é um telescópio de 30 cm, 2 m de comprimento e pesando cerca de 100 kg. Crédito: UCL.

O instrumento UVOT no Centro de Voo Espacial Goddard, pouco antes de ser integrado ao satélite Swift. UVOT é um telescópio de 30 cm, 2 m de comprimento e pesando cerca de 100 kg. Crédito: UCL.

Mark Cropper, chefe do grupo de astrofísicos da MSSL da UCL, explicou: “o instrumento UVOT, que está na nave espacial Swift da NASA, foi construído em grande parte na MSSL. É o gêmeo de um instrumento similar que está operando na missão XMM-Newton da Agência Espacial Europeia”.

A nave Swift foi lançada em 20 de novembro de 2004 e continua operando com sucesso. A MSSL continua sendo a responsável pelo software de processamento de dados do UVOT e manutenção do instrumento.

Projetada principalmente para estudar explosões de raios-gama (explosões estelares em distâncias cosmológicas extremas), a Swift também possui um número de programas paralelos, um dos quais é estudar outras galáxias em nosso “Grupo Local” e para além dele.

Outros parceiros da missão são a Universidade do Estado da Pensilvania, o Centro de Voo Espacial Goddard e o Instituto de Pesquisa Southwest.