Antidepressivos na gravidez podem aumentar risco de aborto em até 64%

Trabalho da Universidade de Montreal foi baseado em mais de 5 mil mulheres grávidas que sofreram abortos até 20 semanas de gestação.

root

31 Maio 2010 | 14h50

Cerca de 3% das gestantes necessitam da terapia pelo menos no primeiro trimestre da gravidez.

Cerca de 3% das gestantes necessitam da terapia pelo menos no primeiro trimestre da gravidez.

Pesquisadores da Universidade de Montreal, no Canadá, sugerem que o risco de aborto espontâneo é 64% maior em gestantes quem usam antidepressivos. Um artigo hoje no Canadian Medical Association Journal (CMAJ) sobre o assunto

O trabalho consistiu na análise de 5.124 mulheres grávidas que sofreram aborto até 20 semanas de gestação e um grupo que manteve normalmente a gestação até o parto. Entre as mulheres que abortaram, 284 (5,5%) tinham tomado antidepressivo durante a gravidez.

De acordo com os pesquisadores, a explicação estaria nos inibidores seletivos de recaptação da serotonina (ISRS), especialmente a paroxetina e a venlafaxina. A combinação de diferentes antidepressivos dobraria o risco de abortos espontâneos.

Como todo medicamento prescrito para grávidas, o médico e o paciente devem avaliar os prós e contras do que será administrado. Em alguns casos, a retirada do medicamento pode resultar em problemas ainda maiores para a pessoa. Sabe-se que cerca de 3% das gestantes necessitam da terapia pelo menos no primeiro trimestre da gravidez.

Estudos semelhantes já foram feitos anteriormente, a maioria associando o uso de medicamentos a efeitos adversos no recém-nascido.

Veja também:

Feto exposto a bisfenol A tem risco maior de câncer na maturidade
Gravidez dobra chances de um homem ser infectado por HIV durante relação
Álcool na gravidez aumenta risco de leucemia mieloide aguda
Fetos do sexo masculino respondem de forma diferente ao estresse
Drogas contra o influenza parecem ser seguras em gestantes e bebês