13 BILHÕES DE ANOS ATRÁS …

13 BILHÕES DE ANOS ATRÁS …

Herton Escobar

20 Outubro 2010 | 19h22


M. Alvarez (http://www.cita.utoronto.ca/~malvarez), R. Kaehler, and T. Abel

.

A revista Nature desta semana traz uma notícia incrível. Cientistas europeus relatam em um 

Documento

a descoberta da galáxia mais distante já observada no universo. Eles analisaram a luz dessa galáxia e concluíram que ela foi emitida quando o Universo tinha apenas 600 milhões de anos, aproximadamente.

Considerando que ele nasceu há mais ou menos 13,7 bilhões de anos (Big Bang!), pode-se dizer que era praticamente um recém-nascido.

Essa idade da luz é medida por um fenômeno chamado “redshift”, ou desvio para o vermelho, que representa um “esticamento” da onda de luz a medida que ela viaja pelo espaço e o espaço se expande simultaneamente. (O Universo está em expansão desde o Big Bang, o que significa que todas as galáxias estão se afastando umas das outras.)

O mais incrível disso tudo é imaginar que esses fótons (partículas de luz) analisados no trabalho foram emitidos mais de 13 bilhões de anos atrás … MUITO antes de a Terra existir e MUITO MUITO antes de nós existirmos. Eles viajaram no espaço durante 13 bilhões de anos, da sua galáxia de origem até a nossa, até caírem dentro do Very Large Telescope (VLT), do Observatório Europeu Austral (ESO), nos Andes Chilenos, para serem registrados por um espectrômetro e terem suas características analisadas pelos cientistas. Imagine só!

Na sua infância, o Universo era frio e escuro, e estava envolto por uma “névoa” densa de hidrogênio que bloqueava a luz das primeiras galáxias que começavam a se formar. A luz da galáxia detectada no estudo, chamada UDFy-38135539, só conseguiu romper esse bloqueio durante uma fase chamada reionização (representada graficamente na imagem acima), quando muitas estrelas começaram a nascer dentro das galáxias e a radiação ultravioleta produzida por elas começou a ionizar o gás hidrogênio, desfazendo o nevoeiro.

13 bilhões de anos depois … voilá! … Estamos aqui escrevendo sobre ela.

Abraços a todos.

(Para ler o release completo do ESO com mais detalhes sobre o trabalho,clique aqui.)

ASSISTA ABAIXO um vídeo fantástico produzido pela ESA, simulando uma viagem pelo espaço e pelo tempo até a galáxia UDFy-38135539. De preferência, assista num lugar silencioso e com fone de ouvido. E atenção: Cada “nuvenzinha” luminosa que aparece no vídeo é uma galáxia inteira! Com bilhões e bilhões de estrelas dentro de cada uma delas, e provavelmente bilhões e bilhões de planestas também.