A LEI DO MAIS MIRRADO

A LEI DO MAIS MIRRADO

Herton Escobar

06 Junho 2012 | 14h28

FOTO: BBC/DIVULGAÇÃO

Como é que os mosquitos voam no meio da chuva? Já parou para pensar nisso? Eu também não … até ver um estudo publicado na revista PNAS em que cientistas do Instituto de Tecnologia da Georgia, nos EUA, tentam solucinar esse mistério.

Afinal de contas, imagine só: mosquitos adoram viver em lugares chuvosos, só que um pingo de chuva pode pesar muito mais do que eles, com seus corpos mirrados. Eu imaginaria que, para um mosquito, ser atingido por um pingo de chuva seria o equivalente a um ser humano ser atingido por um piano jogado do alto de um prédio (segundo o estudo, um pingo de chuva pesa até 50 vezes mais do que um mosquito). Mas não … Segundo os pesquisadores, é justamente o fato de os mosquitos serem mirrados que os protege contra o impacto dos pingos. Pois eles são tão mirrados, tão leves, que o pingo acaba não transferindo quase nenhuma energia para eles. É como se você desse um tapa numa pena flutuante … por mais força que você coloque no tapa, não vai conseguir machucar a pena, porque ela é tão leve que a força da sua mão acaba não se transferindo para ela.

Além disso, apesar de mirrados, os mosquitos têm um exoesqueleto resistente, que ajuda a protegê-los.

Mais um exemplo de como a “lei do mais forte” (como muitas pessoas resumem equivocadamente a teoria da evolução por seleção natural) não é a lei do mais forte, e sim a “lei do melhor adaptado”. Neste caso, especificamente, a lei do mais mirrado.

Abraços a todos.