A SEGUNDA (QUASE) ESTRELA DO SISTEMA SOLAR

A SEGUNDA (QUASE) ESTRELA DO SISTEMA SOLAR

Herton Escobar

16 Junho 2010 | 15h16

jupiter2

Falando em planetas gigantes gasosos, veja só essas fotos feitas pelo Telescópio Espacial Hubble, que acabam de ser divulgadas pela Agência Espacial Europeia (ESA).

Esse monstrengo aí, claro, é Júpiter, o maior planeta do Sistema Solar. Um gigante gasoso de respeito! E muito bonitão, na minha opinião, que muda constantemente sua “maquiagem” atmosférica.

As imagens mostram uma comparação entre o padrão de nuvens visto em julho do ano passado e junho deste ano. Perceba como a aparência do planeta mudou … Isso porque, como indica o nome, os gigantes gasoso não são planetas sólidos. Eles são planetas de gás! Nada do que você enxerga em Júpiter é sólido. Tudo isso são nuvens. Imagine só!


É provável que Júpiter tenha um núcleo sólido, com até 15 vezes a massa da Terra, mas ele fica muito, muito lá no fundo, envolto em uma camada de hidrogênio líquido metálico e espremido por pressões elevadíssimas. (a imagem abaixo mostra uma comparação do tamanho de Júpiter com o tamanho da Terra…. mas o núcleo sólido não teria 15 vezes o diâmetro da Terra… teria 15 vezes a massa!, que é algo muito diferente)

A diferenças de coloração na atmosfera de Júpiter refletem pequenas diferenças na temperatura e na composição química das nuvens, segundo informações do site The Nine Planets. As faixas mais claras são chamadas Zonas, e as mais escuras, Cinturões. E tudo isso está em movimento … Aliás, curiosamente, faixas adjacentes se movem em direções opostas.

Imagine então essa bola de gás gigantesca, super densa, com faixas de nuvens correndo em direções opostas e marcadas por tempestades igualmente gigantescas (várias delas maior do que a Terra), e esse é Júpiter. Uma loucura.

O planeta todo é feito 90% de hidrogênio e 10% de hélio … muito parecido com a composição de uma estrela, caso alguém se lembre. De fato, se o planeta fosse ainda maior (bem maior) a pressão interna criada pelo acúmulo de gases no seu núcleo seria tão grande que átomos de hidrogênio passariam a se fundir, produzindo átomos de hélio, e o planeta “acenderia”…. ou seja, viraria uma estrela de fato, como o nosso Sol. Imagine só!

A maioria dos exoplanetas descobertos até agora são assim, gigantes e gasosos como Júpiter, só que ainda maiores. Tá cheio deles por aí.

Abraços a todos.

jupiter1