BACIADA PLANETÁRIA

BACIADA PLANETÁRIA

Herton Escobar

20 Outubro 2009 | 18h33


ILUSTRAÇÃO: ESO/L.CALÇADA

Estou chegando meio atrasado com essa notícia por causa das minhas férias, mas não poderia deixá-la passar em branco de jeito nenhum….. especialmente depois dos ótimos comentários que foram feitos no último post sobre vida no Universo (vejam “Família (Extra)Terrestre”, do dia 17/09).

Cientistas europeus anunciaram ontem a descoberta de 32 exoplanetas (planetas localizados fora do nosso sistema solar), aumentando o número total de exoplanetas conhecidos para mais de 400. Achar mundos alienígenas já ficou tão comum que só assim mesmo para virar notícia: junta um monte e anuncia de uma vez só que dá mais impacto.

Nenhum desses novos planetas é pequeno como o CoRoT-7b, que foi a grande novidade do mês passado. Mesmo assim, é uma descoberta impressionante que reforça, mais uma vez, a tese de que o Universo está repleto de planetas e, possivelmente, de vida.

Nesse caso, os planetas descobertos são bem maiores do que a Terra … mais ou menos do tamanho de Netuno, mas não tão grandes quanto Júpiter. Um tamanho intermediário, apelidado de “super-Terras”. É possível que os menorzinhos sejam rochosos (como a Terra), e os maiores certamente são gasosos (como Netuno), mas infelizmente o press release do European Southern Observatory (ESO) não entra nesses detalhes.

É importante ressaltar que esses planetas não são observados diretamente. Por isso não temos “fotos” deles (só ilustrações, como essa que você vê acima, de um exoplaneta do sistema Gliese 667, com seis vezes a massa da Terra). Mas nesses casos não é preciso ver para crer. Eles estão lá! Sua existência é inferida por um método chamado velocidade radial, que permite aos cientistas detectar pequenas oscilações que a atração gravitacional dos planetas causa no movimento das estrelas que eles orbitam. É meio difícil de explicar, mas pode confiar que funciona. Esses planetas estão lá, girando no espaço em torno de suas estrelas neste exato momento, assim como nós estamos girando em torno do Sol. (Não só esses como muitos outros bilhões e bilhões e bilhões de mundos extraterrestres que nunca teremos tempo nem capacidade para descobrir….)

Enfim, o Universo está cheio de planetas e é provável que esteja cheio de vida também. Quem sabe.

E lembre-se: 1) A vida em outros planetas pode ser completamente diferente da nossa, e 2) Vida não é só gente, é bactéria, é fungo, é ameba….. se qualquer organismo desse tipo existir em outro planeta, já será a maior descoberta científica de todos os tempos. Imagine só! Não precisa ter disco voador nem raio laser.

abraço