DNA é DNA, SEM PRECONCEITOS

DNA é DNA, SEM PRECONCEITOS

Herton Escobar

31 Maio 2010 | 19h19

SCIENCE GENOME

Falando em genômica e evolução …. nada (nem mesmo o genoma sintético do Craig Venter) é prova melhor da universalidade do DNA e da ancestralidade comum da vida na Terra do que os transgênicos.

Sem entrar na polêmica sobre o uso deles na agricultura (que, na verdade, é uma discussão muito mais comercial/ideológica do que científica, e portanto foge ao escopo deste blog), o simples fato desta tecnologia funcionar nos diz muito sobre a evolução da vida na Terra. É prova quase irrefutável de que todos os seres vivos deste planeta descendem de um ancestral comum.

De outra forma, como poderia o gene de uma bactéria funcionar dentro de uma planta?

Como tentei explicar no meu post anterior, todos os seres vivos do planeta funcionam à base de DNA, e as bases nitrogenadas (ou nucleotídeos) que compõem esse DNA são as mesmas para qualquer espécie. São elas: adenina (A), timina (T), citosina (C) e guanina (G). Ou seja: o alfabeto químico da vida é o mesmo para todos, seja você uma ameba ou um elefante. A única coisa que muda de um genoma para outro é a ordem e a quantidade das letrinhas.

É por isso que um gene de uma bactéria pode funcionar sem problemas no genoma de uma planta e vice-versa.

Os tão polêmicos transgênicos são exatamente isso: plantas que tiveram um gene de uma bactéria inserido em seu genoma, por meio da biotecnologia. Dito assim, em poucas palavras, confesso que parece algo assustador. Afinal, quem é que quer comer alguma coisa com DNA de bactéria dentro?

Bom…. sinto dizer isso, mas você come MILHÕES de bactérias todos os dias, misturadas aos alimentos. Porque (como já comentei também várias vezes nesse blog) as bactérias fazem parte da natureza, estão em todos os lugares, a todo momento, e não importa o quanto você lave suas mãos ou enxágue sua folha de alface antes das refeições, você nunca vai se livrar delas.

Sem falar nos TRILHÕES de bactérias que vivem dentro de você e sobre a sua pele, dentro da sua boca …. Enfim, pode ter certeza de que você come muita bactéria e muito DNA de bactéria todos os dias. Algumas podem causar doenças, claro. Mas a maioria é totalmente inofensiva.

O que os cientistas fazem com os transgênicos é pegar um único gene de uma bactéria e inseri-lo no genoma da planta. Esse gene carrega instruções para a síntese de uma proteína específica, que, ao ser sintetizada pelas células da planta, protege-a dos efeitos de um determinado herbicida ou de uma determinada praga.

Se pensarmos mais uma vez no genoma como um sistema operacional e nos genes como programas aplicativos, os transgênicos equivalem a tirar o Word de um computador e colocá-lo em outro. Como a linguagem do software é a mesma para todos os seres vivos, o fato de o programa (gene) ter vindo de uma bactéria é praticamente irrelevante. O que importa é o que o programa faz, não quem o escreveu ou em qual máquina ele foi originalmente escrito.

No caso das plantas conhecidas como Bt, o gene usado na transgenia foi isolado de uma bactéria de solo chamada Bacillus thuringiensis, tão comum e tão inofensiva (para nós) que é até usada como inseticida natural em culturas orgânicas. Ela produz uma proteína que é tóxica para lagartas, e assim protege a planta do ataque desses insetos. Ou seja: você com certeza já comeu muita bactéria Bt na sua vida. Não só um gene, mas a bactéria inteira!

Fora essas aplicações comerciais na agricultura, cientistas usam a transgenia rotineiramente no laboratório como ferramenta de pesquisa para investigar a função de genes e a ligação deles com doenças, entender e alterar processos metabólicos, fisiológicos, embrionários e coisas desse tipo … É um tal de pega gene daqui, bota ali, desliga aqui e religa ali que vocês não acreditam. Pode ser de bactéria, de mosca, de verme, de cachorro, de coelho … não importa. DNA é igual para todo mundo.

Tudo isso corrobora a teoria da ancestralidade comum, segundo a qual todos os seres vivos descendem de uma forma de vida primordial – formada à base de DNA, é claro (se ela foi criada por Deus ou pela Natureza, é outra história).

Imagine só!

Abraços a todos.