Estudo encontra zika no cérebro de bebê abortado na Eslovênia

Estudo encontra zika no cérebro de bebê abortado na Eslovênia

Mulher europeia de 25 anos engravidou no Brasil e teve sintomas de zika no final do primeiro trimestre de gestação. Microcefalia só foi detectada na 29.ª semana, e ela optou por interromper a gravidez. Estudo confirma que o vírus zika pode infectar o cérebro de fetos e é o provável responsável pela má-formação.

Herton Escobar

11 Fevereiro 2016 | 09h25

zika_nejm

Pesquisadores na Eslovênia encontraram o vírus zika no cérebro de um bebê abortado com microcefalia cuja mãe engravidou no Brasil. A mulher, de 25 anos, optou por interromper a gravidez com 32 semanas de gestação, após uma ultrassonografia confirmar a existência da má-formação, e autorizou a realização do estudo. A pesquisa foi realizada na Universidade de Ljubljana e publicada ontem no site da revista médica americana The New England Journal of Medicine.

Os resultados confirmam que o zika vírus pode infectar o cérebro de fetos e reforça a hipótese de que ele é o responsável pelo aumento explosivo do número de bebês nascidos com microcefalia no Brasil. Segundo o relato dos pesquisadores, a paciente era uma mulher europeia que estava fazendo trabalho voluntário em Natal (RN) desde dezembro de 2013. Ela engravidou no final de fevereiro de 2015 e apresentou sintomas de zika — febre alta, manchas vermelhas, coceira, dores nos olhos e musculares — três meses depois. Exames de ultrassonografia realizados na 14.ª e 20.ª semana de gestação não revelaram nenhum problema. O desenvolvimento do feto, até então, era normal.

Leia também: Novos estudos confirmam elo entre zika e microcefalia


Com 28 semanas de gestação, a paciente retornou para a Europa e passou por novos exames. Na 29.ª semana, uma ultrassonografia identificou os primeiros sinais de anomalia; e quatro semanas depois, o diagnóstico de microcefalia foi confirmado. A circunferência craniana do feto era de 26 centímetros. Após o aborto, os médicos fizeram uma autópsia da criança e encontraram várias anomalias no cérebro: Além do tamanho reduzido, havia vários pontos de calcificação, ausência de dobras e acúmulo de líquido no órgão. A presença do vírus no tecido cerebral foi confirmada por análises genéticas (técnica de PCR) e imagens de microscopia eletrônica. Os pesquisadores suspeitam que o vírus penetre nos neurônios e cause a morte dessas células, interferindo assim com o desenvolvimento do cérebro.

Foi possível até mesmo sequenciar completamente o genoma do vírus e compará-lo ao de outras amostras colhidas no Brasil e outras partes do mundo. A maior semelhança foi com a de vírus colhidos na Polinésia Francesa em 2013 e em São Paulo, em 2015. Não foram encontrados vestígios de nenhum dos outros vírus que podem causar microcefalia, como os da herpes e citomegalovírus.

O estudo não identifica a paciente e não esclarece se ela é cidadã eslovena ou viajou para aquele país apenas para realizar o aborto — que é proibido no Brasil para esse tipo de situação.

Também ontem o The New England Journal of Medicine publicou um editorial sobre a epidemia. Segundo os editores da revista, o estudo da Eslovênia “não fornece uma prova absoluta de que o zika vírus causa microcefalia”,  mas torna essa ligação “mais forte”. A publicação, que é uma das mais conceituadas do mundo na área médica, defende que as mulheres afetadas tenham acesso a serviços de saúde relevantes, “incluindo métodos contraceptivos, diagnósticos e serviços de interrupção da gravidez”.

 

Médica do Hospital Oswaldo Cruz, no Recife, analisa tomografia de bebê com microcefalia. Foto: Felipe Dana/AP

Médica do Hospital Oswaldo Cruz, no Recife, analisa tomografia de bebê com microcefalia. Crianças nascidas com menos de 32 cm de perímetro encefálico são consideradas casos suspeitos. Foto: Felipe Dana/AP