Futuro do Brasil na Antártida em discussão / Projeto da nova base é premiado

Futuro do Brasil na Antártida em discussão / Projeto da nova base é premiado

Herton Escobar

03 Maio 2013 | 18h18

IMAGENS: Estúdio 41 / Projeto da nova Estação Antártica Comandante Ferraz.

Dentro do processo de reconstrução da ciência brasileira na Antártida, após o incêndio que destruiu a base de pesquisa do País no continente cerca de um ano atrás, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) colocou recentemente no ar, para consulta pública, a proposta “Ciência Antártica para o Brasil: um plano de ação para o período 2013-2022”.


A proposta foi elaborada por um time de especialistas, coordenado pelo pesquisador Jefferson Simões, diretor do Centro Polar e Climático da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Segundo ele, “trata-se de um primeiro passo para reestruturação das ações  das pesquisas brasileiras na Região Antártica”.

O plano de ação é norteado por quatro grande objetivos, segundo Simões:

1) Ter um programa científico atualizado, que responda questões multidisciplinares e interrelacionados;

2) Usar plenamente todas as plataformas de pesquisas existentes no âmbito do PROANTAR (estação, navios, acampamentos, módulos  automatizados), incluindo a nova Estação Antártica Comandante Ferraz,
nossos 2 navios polares e novo módulo Criosfera 1

3) Dar atenção específica para a América do Sul,  explorando conexões da Antártica com nosso  ambiente,

4) Representar o melhor da ciência brasileira,  aumentar a produtividade  intelectual do PROANTAR
e principalmente o protagonismo da ciência nacional no sistema jurídico que rege toda a região ao sul do
paralelo 60°S, o Tratado da Antártica!  Note o papel político da ciência antártica (veja p. 5 do

Documento

).

Mais informações neste link: MCTI abre consulta pública em plano de ação para ciência antártica

Nova base. Em uma notícia relacionada, a Marinha do Brasil e o Instituto de Arquitetos do Brasil vão premiar no dia 7 os vencedores do concurso que escolheu o projeto da nova Estação Antártica Comandante Ferraz. O projeto campeão foi o do arquiteto Fábio Henrique Faria, do escritório de arquitetura Estúdio 41, em Curitiba. (fotos abaixo)

Segundo a Comissão julgadora, composta por cinco arquitetos, “O projeto apresenta uma composição formal singela e ao mesmo tempo marcante. A proposta é compacta, sem deixar de responder à setorização funcional esperada. Destaca-se a adequação à topografia, potencializando visuais a partir dos volumes implantados em níveis diferenciados, a modulação e o sistema construtivo, que favorece a racionalidade da execução.”

O Estúdio 41 receberá um prêmio de R$ 100 mil, além do contrato de R$ 5 milhões para execução do projeto.