Helena Nader: ‘Não sou candidata a nada’

Helena Nader: ‘Não sou candidata a nada’

Presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) enterra especulações sobre uma eventual candidatura sua à Câmara dos Deputados; e diz ser contra a criação de um partido de cientistas

Herton Escobar

21 Julho 2017 | 09h13

“Não sou nem serei candidata a nada”, anunciou ontem a cientista Helena Nader, pondo fim às especulações sobre uma suposta candidatura dela à Câmara dos Deputados. O anúncio foi feito na Assembleia Geral dos sócios da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), logo depois de ela passar a presidência  da entidade ao seu sucessor, o físico Ildeu Moreira, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Helena, professora titular da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), era presidente da SBPC desde 2011. Muito admirada na comunidade científica, ela vinha sendo assediada por colegas — aflitos com o estado de calamidade que vive a ciência brasileira — a se candidatar a deputada federal. Surgiu até a proposta de se criar um partido, dedicado exclusivamente à ciência e à educação, para que ela pudesse se candidatar de forma independente.

Os rumores ganharam força durante a reunião anual da SBPC, que aconteceu ao longo desta semana no campus Pampulha da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Belo Horizonte. Mas Helena disse que nunca quis entrar para a política, apesar de já ter recebido vários convites para assumir cargos em Brasília. “Nunca aceitei porque achava que ia contra a minha missão como presidente da SBPC”, disse.

Ela criticou a ideia de se criar um partido da ciência, dizendo que isso enfraquecia uma relação construída a duras penas pela SBPC com o Parlamento brasileiro ao longo dos últimos anos. Disse que vai continuar batalhando pela educação e pela ciência de outras formas, “fazendo política sem ser política”.


Em sua primeira fala como novo presidente da SBPC, Moreira voltou a defender o caráter apartidário da entidade — como está previsto em seu estatuto — ressaltando que cientistas individuais estão livres, como cidadãos, para propor a criação de partidos, mas que isso não representa uma iniciativa institucional da SBPC. Ele e sua nova diretoria servirão um mandato de dois anos.

Helena Nader na abertura da reunião anual da SBPC. Foto: Pietro Sitchin/SBPC

O repórter viajou a Belo Horizonte com apoio da SBPC.

Mais conteúdo sobre:

#SBPC2017sbpcHelena NaderUFMG