Indonésia vira santuário de raias-mantas

Indonésia vira santuário de raias-mantas

Herton Escobar

26 Fevereiro 2014 | 08h27

FOTO: Raias-mantas na região de Raja Ampat, na Indonésia.

Herton Escobar / O Estado de S. Paulo

Atenção raias-mantas (e seres humanos interessados em conhecê-las): corram para a Indonésia! O país asiático, detentor da maior biodiversidade marinha do planeta, declarou-se na última sexta-feira um santuário de mantas, com a proibição da pesca desses animais em todos os seus 5,8 milhões de km2 de oceano.

A decisão segue uma lógica tanto ambiental quanto econômica, baseada em números que mostram que o turismo gerado pela observação das raias-mantas vale muito mais dinheiro para o país do que a comercialização da sua carne e de suas guelras gera para os pescadores. Na ponta do lápis: US$ 1 milhão por uma manta viva (ao longo de sua vida) versus R$ 500 por uma manta morta (em pagamento único). Não precisa ser ecologista, mergulhador nem mestre em matemática para entender a diferença.

Um dos marcos científicos para a decisão foi um trabalho publicado em maio de 2013, na revista PLoS One, por pesquisadores ligados a organizações conservacionistas, segundo o qual o turismo de raias-mantas movimenta US$ 140 milhões por ano em 23 países. Um ótimo exemplo de como a ciência pode ajudar na conservação da natureza.

Se a motivação do governo indonésio foi puramente econômica, ambiental, ou ambas, não importa. O que importa é que a decisão faz sentido, e as mantas estão protegidas de agora em diante (ao menos no papel) em toda a Indonésia.

Eu já estive na Indonésia duas vezes, e em ambas delas tive o prazer de mergulhar com suas raias-mantas (das duas espécies, a oceânica e a recifal). São animais magníficos. Elas ocorrem também no Brasil, só que em menor número, principalmente na região do Parque Estadual da Laje de Santos, no litoral paulista.

Leia também no blog:

Reportagem Especial: Gigantes do mar brasileiro

Raias e tubarões ganham status de proteção

 

Gostou? Compartilhe! Siga o blog no Twitter: @hertonescobar; e Facebook: http://goo.gl/3wio5m