1. Usuário
Assine o Estadão
assine

  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

As informações e opiniões expressas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ministério cria site de informações sobre pílula do câncer

hertonescobar

20 janeiro 2016 | 19:58

Objetivo é informar a população sobre andamento das pesquisas com fosfoetanolamina sintética

fosfo-mcti

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) colocou no ar hoje um site com informações sobre a fosfoetanolamina sintética, substância produzida no Instituto de Química de São Carlos, da USP, e que ficou conhecida popularmente como “pílula do câncer”, apesar de não haver provas científicas da sua eficácia ou segurança para o tratamento da doença em seres humanos.

O site faz parte de um pacote de iniciativas do MCTI para jogar luz sobre a questão, que se tornou extremamente polêmica. Três laboratórios de referência foram recrutados para testar a substância, que foi distribuída para pacientes durante anos pelo pesquisador aposentado Gilberto Chierice, sem autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O ministério se comprometeu a investir até R$ 10 milhões nas pesquisas, se elas mostrarem que a fosfoetanolamina tem, de fato, algum efeito terapêutico. A ideia é que o site seja atualizado constantemente com informações, à medida que os resultados forem produzidos.

Acesse o site aqui: http://www.mcti.gov.br/fosfoetanolamina

Para mais informações, veja a reportagem: Ministério libera R$ 2 milhões para estudo da fosfoetanolamina

Ministro Celso Pansera recebe cápsulas de fosfoetanolamina em Brasília. Foto: MCTI - 16/12/2015

Ministro Celso Pansera recebe cápsulas de fosfoetanolamina em Brasília. Foto: MCTI – 16/12/2015

As informações e opiniões expressas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.