Nature rejeitou estudo das células STAP antes de publicá-lo

Nature rejeitou estudo das células STAP antes de publicá-lo

Email publicado pelo site de notícias da Science revela bastidores do processo de peer review do trabalho que acabou sendo retratado e levou um cientista japonês a cometer suicídio

Herton Escobar

12 Setembro 2014 | 08h00

Haruko Obokata, autora da pesquisa retratada sobre células STAP. Crédito: REUTERS/Kyodo

O trágico trabalho sobre as células-tronco STAP — que não só precisou ser retratado, mas gerou um escândalo tão grande e vergonhoso que levou um pesquisador japonês a cometer suicídio — foi inicialmente rejeitado pela revista Nature, dez meses antes de ser publicado,  segundo informações publicadas no site de notícias Science Insider. Um bom sinal de que o sistema de revisão por pares (peer review) não falhou tão grotescamente neste caso como se imaginava. E um mal sinal para a revista Nature, que acabou publicando o artigo mesmo assim (talvez enganada, talvez negligente), depois de os revisores terem detectado vários problemas nele.

O Science Insider traz a cópia de um email enviado por um editor da Nature para a autora principal da pesquisa, Haruko Obokata, de abril de 2013, em que o editor relata a ela a opinião dos três revisores para os quais o trabalho havia sido submetido para análise. Os comentários dos revisores são bastante detalhados, e todos eles apontam uma série de problemas com o trabalho — cujas conclusões eram potencialmente revolucionárias, porém carentes de comprovação.

“Apesar de eles (os revisores) terem achado o trabalho extremamente interessante, assim como nós, eles levantam preocupações importantes que, do nosso ponto de vista, precisam ser resolvidas antes que possamos considerá-lo para publicação na Nature“, diz o editor a Obokata. Depois disso não está claro o que aconteceu (o que Obokata fez para responder aos questionamentos dos revisores); mas o fato é que, dez meses depois, o trabalho foi publicado. E seis meses depois, retratado.

A íntegra do email pode ser lida aqui: 

Documento

O trabalho, segundo o Science Insider, também foi submetido para as revistas Science e Cell; e rejeitado por ambas.

Leia o histórico do escândalo das células STAP aqui: http://migre.me/lArOO