Novos ‘mapas’ para guiar o estudo do cérebro

Novos ‘mapas’ para guiar o estudo do cérebro

Herton Escobar

02 Abril 2014 | 17h17

FOTO: Imagem computadorizada do “conectoma” do camundongo, mostrando como as redes neurais estão distribuídas pelo cérebro do animal. Crédito: AP Photo/Allen Institute for Brain Science

Herton Escobar / O Estado de S. Paulo

Um ano depois de o presidente americano Barack Obama ter anunciado um grande programa de incentivo a pesquisas voltadas para a compreensão do cérebro (a chamada BRAIN Initiative, no valor de US$ 100 milhões), cientistas nos Estados Unidos anunciaram hoje a publicação de dois grandes “mapas” que ajudarão a guiar os esforços de pesquisadores do mundo todo nesse sentido.

O primeiro deles é um mapa de expressão gênica do cérebro pré-natal humano, que identifica onde e quando determinados genes são acionados em determinados estágios de desenvolvimento do cérebro fetal. O outro é um mapa estrutural do cérebro de camundongo, que mostra onde estão e como estão conectadas as células neuronais no órgão do roedor. É o que os cientistas chamam de um “conectoma”; equivalente a uma maquete tridimensional da rede elétrica de uma casa.

Ambos os trabalhos foram liderados por cientistas do Instituto Allen para Pesquisas do Cérebro, em Seattle, e estão publicados na edição desta semana da revista Nature.

O conectoma do camundongo, segundo os cientistas, é o mapa mais detalhado já produzido do cérebro de um vertebrado, que servirá como um importante modelo de pesquisa para a compreensão de como diferentes regiões do cérebro estão funcionalmente conectadas e de como as informações fluem através dessas redes de circuitos neuronais para produzir diferentes resultados e comportamentos.

Um conectoma humano está em fase de produção.

Já o atlas de expressão gênica no cérebro embrionário humano será importante para o estudo de como o cérebro se desenvolve nos seus estágios iniciais, intrauterinos. “O fato de sabermos onde um gene é expresso no cérebro pode nos dar pistas importantes sobre sua função”, explica o pesquisador Ed Lein, em um press release distribuído pelo Instituto Allen. “Esse atlas nos dá um panorama de quais genes estão ligados ou desligados em diferentes tipos celulares enquanto o cérebro está se desenvolvendo no meio da gravidez. Isso significa que temos um diagrama para o desenvolvimento humano: uma compreensão de quais peças são crucialmente necessárias para que o cérebro se forme de maneira saudável; assim como uma ferramenta poderosa para investigarmos o que ocorre de errado em casos de doenças.”

Todas os dados gerados pelo Instituto Allen estão disponíveis gratuitamente na internet para qualquer cientista que desejar utilizá-los

Gostou? Compartilhe! Siga o blog no Twitter: @hertonescobar; e Facebook: http://goo.gl/3wio5m