O GENE DA CARA DE PAU … DESATIVADO, INFELIZMENTE

Herton Escobar

02 Dezembro 2009 | 00h05

Isso não tem nada a ver com ciência, mas não consigo deixar de expressar minha indignação …

O mau caratismo e a falta de vergonha na cara dos políticos brasileiros é simplesmente impressionante! Alguém precisa fazer um estudo genético com esses caras para saber de onde é que eles tiram tanta cara de pau …

Corrupção e ganância existem em qualquer lugar do mundo. Não tem jeito. Mas em países mais “desenvolvidos”, pelo menos, quando um corrupto é desmascarado, ele tem a mínima cara de pau de pedir demissão, de se afastar do cargo ou coisa desse tipo. Mesmo quando o cara se diz inocente, ele se recolhe e deixa a Justiça trabalhar. Ou então é demitido, ou é afastado do cargo à força.

No Brasil, não. Os políticos aqui são tão malandros, mas tão malandros, que mesmo quando aparece um vídeo com eles enfiando a propina na cueca, os caras ainda acham que vão conseguir se livrar na lábia. E nós, cidadãos honestos (alguns mais do que outros, mas vá lá), que temos nosso dinheirinho suado roubado via impostos por esses malandros todos os meses, somos obrigados a ouvir coisas do tipo “era para comprar panetones”, ou “botei o dinheiro na cueca porque não uso pasta, por segurança”… Ah, meu amigo, me poupe. Tenha a mínima dignidade e o mínimo de respeito de ficar calado.

E o Sarney então? Depois de todas as revelações da imprensa sobre atos secretos, nepotismo etc, o senhor presidente do Senado nem se deu ao trabalho de provar sua inocência. Simplesmente disse: Não deixo o cargo, daqui ninguém me tira, e pronto … ficou por isso mesmo. Tá lá até hoje.

Se bem que os eleitores também têm culpa. Afinal, quem não se lembra do governador Arruda no escândalo do painel eletrônico do Senado? Quando foi acusado de participar da manipulação, ele, como todo bom político, foi ao microfone e fez um discurso indignado, com o dedo em riste, falando alto, dizendo como é que alguém poderia acusá-lo de algo tão horrendo. Dois dias depois o mesmo Arruda estava aos prantos, no mesmo microfone, dizendo-se arrependido do seu “deslize” ético e moral. Coitadinho dele. Abandonou o mandato para não ser cassado.

Seria lógico imaginar que a carreira política do sujeito estaria encerrada. Mas não. Virou governador do Distrito Federal. Deu no que deu. Coitadinhos de nós. A memória do eleitor é curta demais para gerenciar tanta falcatrua.

A influência do ambiente político deve induzir alguma mutação no DNA que inibe o senso ético das pessoas. Só pode ser isso. Tem de ser isso! Se alguém tiver alguma outra explicação científica, por favor apresente …

Abraços a todos.