O HOMEM QUE NÃO MORREU DE CURIOSIDADE

O HOMEM QUE NÃO MORREU DE CURIOSIDADE

Herton Escobar

08 Janeiro 2012 | 20h32

 

FOTO: AP Photo/Science Museum, Sarah Lee

 

“Lembre-se de olhar para cima, para as estrelas, e não para baixo, para os seus pés. Procure entender o sentido daquilo que você vê e questione-se sobre o que faz o Universo existir. Seja curioso.”

Mensagem do físico britânico Stephen Hawking (aquele da cadeira de rodas), no discurso de seu aniversário de 70 anos, comemorado ontem. Tirou as palavras da minha boca … (quem acompanha o blog sabe que costumo escrever mensagens semelhantes, mas é claro que vindo do Stephen Hawking soa muito melhor)

A curiosidade é a raiz do conhecimento. Não a curiosidade fútil, de bisbilhotar a vida dos outros ou folhear revistas de celebridades (que, confesso, pode ser divertido, mas não tem lá muita utilidade), mas a curiosidade útil, de entender porque as coisas existem, como elas funcionam, porque elas são do jeito que são e porque agimos da maneira que agimos. (Por exemplo: Porque é que as pessoas se interessam tanto pela vida de celebridades??)

Curiosidade é olhar para o céu e perguntar: O que são aqueles pontinhos luminosos que brilham durante a noite? A que distância eles estão de nós? E porque é que alguns se movem e outros, não? Do que é feito o Sol? Será que um dia ele vai se apagar? E é ele que gira em torno de nós, ou nós que giramos em torno dele?

Se sabemos as respostas para todas essas perguntas hoje (os pontinhos são estrelas; a distância delas em relação a nós é medida em anos-luz; as que se movem na verdade não são estrelas, mas planetas; o Sol é uma bola de gás de hidrogênio e hélio, que ainda vai brilhar por alguns bilhões de anos, mas um dia vai mesmo se “apagar”; e somos nós que giramos em torno dele e não o contrário … como se dizia religiosamente na antiguidade), é porque alguém um dia teve a curiosidade de fazê-las para começo de conversa.

Estou usando a astronomia como exemplo porque essa é a área do Hawking (um físico que estuda a origem, o funcionamento e o futuro do Universo), mas a curiosidade se aplica da mesma forma a qualquer outra área das ciências, exatas, humanas ou biológicas.

Por exemplo: O que causa a esclerose lateral amiotrófica (ELA), como essa doença evolui, e como é que o Stephen Hawking não morreu dela até agora???

Hawking foi diagnosticado com ELA aos 21 anos, em 1963, e os médicos lhe disseram inicialmente que não sobreviveria mais do que alguns anos (o que, infelizmente, é o prognóstico correto para a maioria dos pacientes). Com o tempo, a doença tirou sua fala e seus movimentos, mas não sua capacidade intelectual. Mesmo com suas limitações físicas severas, Hawking continuou a produzir ciência de altíssima qualidade, escreveu livros incríveis, propôs teorias revolucionárias … e, sei lá como, continua vivo até hoje, fazendo perguntas dificílimas e encontrando respostas ainda mais complicadas para elas.

Só um mistério parece ser insolúvel para o físico brilhante:

Em uma entrevista recente à revista New Scientist, um repórter curioso perguntou a Hawking “Sobre o que você mais pensa durante o dia?”, e ele respondeu, “Mulheres. Elas são um mistério total.”

Até sobre isso Hawking fala com propriedade, pois tem dois casamentos e dois divórcios no currículo. Imagine só! Alguém que se dedica a estudar a física de buracos-negros e entender a relação espaço-tempo do Universo, incapaz de entender algo tão mundano quanto as mulheres … Com essa curiosidade, acho que ele vai morrer mesmo.

Abraços a todos.