O PODER DA IMAGINAÇÃO

O PODER DA IMAGINAÇÃO

Herton Escobar

13 Dezembro 2010 | 18h26

FOTO: Wikipedia Commons

Quer emagrecer? Mas não consegue parar de pensar em chocolate? Não tem problema … pode continuar pensando. Aliás, segundo um estudo publicado na última edição da revista Science, quanto mais você pensar, melhor. Pois menos você vai comer depois.

É como se o seu cérebro se saciasse apenas em imaginar o chocolate, sem precisar comê-lo de fato. No estudo, os pesquisadores compararam o comportamento de grupos de voluntários que foram orientados a 1) imaginar-se comendo um monte de chocolate ou 2) imaginar-se comendo apenas um pouco de chocolate (um determinado número de M&M’s, para ser mais específico). Depois, cada pessoa recebia uma cumbuca com a mesma quantidade de chocolate, para comer a vontade, e os pesquisadores comparavam a quantidade consumida por cada pessoa de cada grupo, procurando alguma relação estatística de causa-efeito entre a imaginação e o consumo.


Os resultados indicam que aqueles que se imaginaram comendo mais chocolate antes comeram menos chocolate de verdade, depois. O experimento foi repetido várias vezes, em diferentes formatos e com diferentes comidas (chocolate e queijo), chegando às mesmas conclusões.

Fico um pouco receoso nesse tipo de estudo com o fato de que os pesquisadores não têm, de fato, como saber o que cada pessoa imaginou exatamente … Você pode dizer para alguém se imaginar comendo apenas 3 M&M’s e, na verdade, ele se imagina comendo um pacote inteiro, ou nadando numa piscina de chocolate … vai saber! Mas vamos confiar que o estudo foi realmente bem feito e os resultados são confiáveis. Muito interessante!

Se pensarmos bem, do ponto de vista fisiológico, nosso corpo não precisa especificamente de chocolate nem de queijo nem de sorvete. Ele precisa de uma determinada quantidade de calorias e uma determinada variedade de nutrientes. Se essas calorias e esses nutrientes vêm empacotados na forma de chocolate, de salada ou de picanha não deveria fazer muita diferença. Tecnicamente, se alguém inventasse uma ração sem sabor, porém com todas as calorias e nutrientes necessários para o nosso corpo funcionar, ele deveria funcionar sem problemas.

Mas quem é que aguentaria comer apenas uma ração sem sabor pelo resto da vida? Todos os outros animais contentam-se em comer quase sempre a mesma coisa. Tubarões comem peixes todos os dias. Leões comem gazelas. Passarinhos comem insetos. Cachorros e gatos comem ração. Mas nós, seres humanos, somos exigentes demais para isso. Precisamos de variedade! Precisamos de sabor!  Mas por quê? Seria tão mais fácil se nosso paladar fosse menos apurado … não precisaríamos gastar tanto tempo e tanto dinheiro no supermercado e indo a restaurantes diferentes toda semana.

Tudo culpa do nosso cérebro mimado! Muitas das nossas vontades alimentares são puramente psicológicas. Então faz sentido que só pensar sobre uma barra de chocolate já satisfaça, ao menos parcialmente, nosso desejo de comê-la. Estamos mal acostumados e achamos que precisamos de todos esses mimos saborosos para sobreviver, mas não é verdade. Está tudo na sua cabeça. Imagine só!

Abraços a todos.