O TRUCO DAS CÉLULAS-TRONCO EMBRIONÁRIAS

O TRUCO DAS CÉLULAS-TRONCO EMBRIONÁRIAS

Herton Escobar

09 Agosto 2010 | 19h56

day 5 blastocyst

.

Na semana passada o FDA autorizou – aparentemente em definitivo – o início do primeiro experimento clínico envolvendo o uso de células-tronco embrionárias em seres humanos. Nos próximos meses, a empresa de biotecnologia Geron, da Califórnia, selecionará cerca de 10 pacientes, vítimas de lesões medulares, para receber injeções de “células progenitoras de oligodendrócitos”.

Os oligodendrócitos são células que se enrolam como uma capa isolante em volta dos nervos, formando as chamadas “bainhas de mielina”, necessárias para a transmissão de sinais elétricos ao longo do sistema nervoso. Em muitos casos de lesão medular, esse “encapamento” de mielina se desintegra, causando paralisia, mesmo que os nervos propriamente ditos não tenham sido danificados.

A estratégia da Geron, portanto, foi usar células-tronco embrionárias (CTEs) para produzir células progenitoras de oligodendrócitos (CPOs) in vitro, com a esperança de que, uma vez injetadas no local da lesão, essas CPOs “amadureçam” e se transformem em oligodendrócitos de fato, capazes de “reencapar” os nervos afetados e recuperar, ao menos parcialmente, as capacidades motoras dos pacientes. (Veja um vídeo produzido pela empresa aqui, mostrando como a técnica foi testada em ratos.)

Para entender como isso é possível – e porque esse experimento já causou e certamente ainda vai causar muita polêmica –, é preciso entender o que são, exatamente, as células-tronco embrionárias (CTEs) – e porque elas causam tanta polêmica.

Pois bem … as células-tronco embrionárias são as células primordiais que se diferenciam dentro de um embrião para dar origem a todos os tecidos do organismo adulto. Elas são formadas cerca de cinco dias após a fusão do espermatozóide com o óvulo (fertilização), num estágio em que o embrião é chamado de blastocisto.

A foto acima é de um blastocisto humano. As células-tronco são aquela massinha de células dentro do embrião. São elas que vão formar todo o organismo do futuro bebê, enquanto que as células da “casca” darão origem à placenta e outros tecidos de suporte à gestação. Note que não há bracinhos, nem perninhas, nem cabeça, muito menos coração ou cérebro nesse estágio. É apenas uma bolinha microscópica de células.

Nesse estágio, as células-tronco ainda estão completamente indiferenciadas. Uma boa analogia para entender isso é pensar nelas como cartas curingas dentro de um baralho. A carta curinga é indiferenciada – ou seja, pode se transformar em qualquer carta que você quiser – enquanto que as outras cartas do baralho são diferenciadas – um ás de paus é um ás de paus, e não há como mudar isso.

Maravilha! Mas tem um probleminha: as células-tronco não gostam muito de ser controladas. Prezam pela espontaneidade. Você coloca elas na posição de um 5 de copas e, de repente, elas viram um 8 de espadas. E você não quer isso acontecendo no seu jogo, muito menos dentro do seu organismo.

O que os cientistas da Geron fizeram, portanto, foi desenvolver um protocolo de cultura celular (uma fórmula, digamos assim) que induz as CTEs a se diferenciar especificamente em CPOs, e não em qualquer outro tipo de célula. As células que serão injetadas nos pacientes, portanto, não serão células-tronco embrionárias propriamente ditas (o que seria extremamente arriscado, pois não haveria como controlar a diferenciação delas dentro do organismo), mas células semidiferenciadas, já “marcadas” para se transformar em oligodendrócitos, especificamente.

A semente da discórdia

A grande polêmica em torno disso tudo é que, para obter as células-tronco embrionárias, é preciso destruir um embrião. E muitas pessoas consideram isso eticamente inaceitável. Algo equivalente ao aborto.

Não há dúvida de que as células-tronco embrionárias têm o potencial de gerar um ser humano (como acabei de explicar). Do ponto de vista ético, porém, é importante ressaltar que os embriões usados em pesquisa são embriões produzidos por fertilização in vitro, em clínicas de fertilidade, e descartados pelos seus genitores. Eles não foram gerados dentro de um útero, muito menos retirados de dentro de um útero. Foram gerados manualmente por um técnico de laboratório, que injetou um espermatozóide dentro de um óvulo com um seringa, olhando por um microscópio.

Do ponto de vista biológico, portanto, as células são idênticas. Mas e do ponto de vista ético, também? Em outras palavras: Um blastocisto gerado in vitro no laboratório tem os mesmos direitos que um blastocisto gerado in vivo no útero? Destruir um blastocisto produzido in vitro para extrair células-tronco equivale moralmente a matar um ser humano?

Torço para que o experimento da Geron dê certo. Mas a resposta a essas perguntas independe disso.

Abraços a todos.

DICA: Neste link dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH) dos Estados Unidos é possível ver um vídeo de um embrião humano se desenvolvendo in vitro desde a fertilização até o estágio de blastocisto. É um pouco longo, mas assista até o fim que vale a pena. Dá para ver claramente as células de multiplicando e se organizando dentro do embrião.