PLANETA FROST FREE

Herton Escobar

08 Outubro 2010 | 18h59

A calota de gelo do Ártico (popularmente chamado de  “pólo norte”, apesar de essa definição não ser exatamente correta — o pólo é um ponto geográfico específico e não uma região) atingiu a terceira menor extensão já registrada nas últimas décadas, desde que a regiõ começou a ser monitorada via imagens de satélite, segundo um boletim publicado pelo National Snow and Ice Data Center, dos EUA.

A marca foi registrada em 19 de setembro, mês que marca o fim da temporada de degelo no Ártico. A calota de gelo encolheu até ficar com míseros 4,9 milhões de km² (não muito mais do que metade do território brasileiro), 2,1 milhões de km²abaixo da média histórica de 1979 a 2000. Isso foi suficiente para abrir temporariamente duas cobiçadas rotas de navegação que normalmente ficam bloqueadas pelo gelo: a Passagem Noroeste, ligando os Oceanos Atlântico e Pacífico por cima da América do Norte, e a Rota do Mar do Norte, ligando a Europa e a Ásia, contornando a costa da Rússia.

Mas a alegria dos navegadores e o terror dos climatologistas durou pouco … Já no início de outubro a extensão do gelo tinha aumentado para 5,4 milhões de km². Ainda assim, fica  o alerta de que a cobertura média de gelo em setembro tem encolhido 11,5% por década.

No vídeo acima, é possível ver uma simulação de como a cobertura de gelo do Ártico varia durante o ano. Ele mostra o que aconteceu em 2009, que era o terceiro recorde mínimo … até agora. Um novo vídeo (ainda não disponível no YouTube) com a simulação de 2010 pode ser visto neste link.

Abraços a todos.