Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Ciência

Ciência » Presidente da Fundação Butantan pede demissão

Ciência

Presidente da Fundação Butantan pede demissão

Ciência

BUTANTAN

Presidente da Fundação Butantan pede demissão

André Franco Montoro Filho será substituído interinamente por Erney Camargo. Segundo nota oficial, ele entregou o cargo porque "discordava do modelo de gestão" proposto pelo Conselho Curador da fundação, que é presidido pelo diretor do Instituto Butantan, Jorge Kalil

0

Herton Escobar

08 Fevereiro 2017 | 18h19

(Atualizado em 9/2, com novas informações)

O diretor-presidente da Fundação Butantan (FB), André Franco Montoro Filho, pediu demissão do cargo. Ele será substituído interinamente pelo pesquisador Erney Camargo, ex-diretor e atualmente membro do Conselho Diretor do Instituto Butantan (IB).

Segundo informações obtidas pela reportagem e confirmadas por uma nota divulgada pela assessoria de comunicação da FB, Montoro Filho entregou o cargo por “discordar do modelo de gestão proposto” pelo Conselho Curador da fundação, uma entidade de direito privado responsável pela gestão financeira e administrativa do IB.

A renúncia foi anunciada durante uma reunião do conselho hoje à tarde, mesmo dia em que o instituto recebeu uma visita do governador Geraldo Alckmin e do ministro da Saúde, Ricardo Barros, para anunciar um investimento federal de R$ 54 milhões na infraestrutura de produção de vacinas do IB. O orçamento previsto da fundação para este ano é de aproximadamente R$ 1,6 bilhão, incluindo a receita obtida com a venda de vacinas.

Prédio histórico do Instituto Butantan. Foto: Rafael Arbex/Estadão

Foto: Rafael Arbex/Estadão

Segundo informações do jornal Folha de S. Paulo, Montoro Filho leu uma carta na reunião, denunciando irregularidades na gestão financeira do Butantan, incluindo pagamentos sem contrato e um número excessivo de contratações de emergência. “Recusei seguir tais práticas”, disse ele ao conselho, segundo o jornal.

Filho do ex-governador Franco Montoro, professor de economia da USP, ex-presidente do BNDES e ex-secretário de Economia e Planejamento do Estado de São Paulo, Montoro Filho estava como presidente da Fundação Butantan desde agosto de 2015. Ele substituiu o médico imunologista Jorge Kalil, que até aquele momento presidia as duas instituições: FB e IB.

Kalil permanece como diretor do IB e presidente dos dois conselhos do Butantan: o Conselho Diretor (do IB) e o Conselho Curador (da FB). Segundo fontes ouvidas pela reportagem, havia fortes discordâncias entre os dois, apesar de Montoro Filho ter sido indicado ao cargo pelo próprio Kalil — que foi afastado da presidência da FB em 2015 por decisão do secretário de Saúde do Estado, David Uip.

Procurado pela reportagem do Estado, Kalil preferiu não se pronunciar além do que já estava dito na nota oficial da FB, copiada abaixo, na íntegra:

“A Fundação Butantan informa que André Franco Montoro Filho apresentou hoje durante a reunião do Conselho Curador a sua renúncia ao cargo de Diretor-Presidente da Fundação Butantan, por discordar do modelo de gestão proposto pelo Conselho. O cargo será assumido pelo Professor Doutor Erney de Camargo, que já ocupou anteriormente esta função, pelo tempo necessário para a realização das alterações estatutárias que formalizam o modelo sugerido.”

Montoro Filho também foi procurado, mas não se manifestou.

Segundo a reportagem da Folha, Kalil, com apoio dos conselhos, teria alterado o estatuto da FB para  esvaziar os poderes da fundação, transferindo seu poder decisório para o IB. “Minhas ações foram consideradas como intromissões em assuntos privativos do senhor Kalil”, disse Montoro, segundo o jornal.

A escolha de um novo diretor-presidente cabe ao Conselho Curador da FB, com dez integrantes. Apesar de não ser um posto da administração pública, é um cargo sujeito a fortes influências políticas. O IB, por sua vez, é um instituto de pesquisa do Estado, vinculado à Secretaria da Saúde, e sua diretoria é um cargo de confiança do governo. Mas seu orçamento é todo administrado pela FB — que, por ser uma entidade de caráter privado, tem muito mais agilidade para fazer compras, contratos e investimentos.

Atrito

Recentemente chamou a atenção de funcionários do IB a presença no instituto de Olavo Reino Francisco, ex-delegado e diretor-executivo da Fundação Florestal (entidade ligada à Secretaria do Meio Ambiente do Estado) na gestão do então secretário de Meio Ambiente Bruno Covas — atual vice-prefeito de São Paulo.

Segundo fontes ligadas ao Butantan, Francisco teria sido indicado por Montoro Filho para substituí-lo na presidência da FB, mas a indicação não foi aceita pelo Conselho Curador da fundação. Montoro Filho, então, teria contratado Francisco como seu assessor especial, gerando um forte atrito político e administrativo dentro da instituição.

Na última sexta-feira (3/2), pesquisadores e funcionários realizaram uma manifestação em frente ao prédio da diretoria do instituto. Um manifesto foi entregue aos conselhos do IB e da FB, repudiando “intervenções político-partidárias na designação de quem quer que seja” dentro da instituição. “Todos os servidores devem ter currículo que garanta servir com competência ao instituto e não apresentar histórico incompatível ou distante com a missão institucional”, diz o documento, ao qual o Estado teve acesso.

Apesar de não citar ninguém nominalmente, o manifesto faz uma referência à contratação de Francisco como assessor de Montoro Filho. “Ter e respeitar as decisões dos Conselhos Diretor e Curador é premissa da Fundação com o respeito aos colegiados, subordinando-se aos interesses coletivos, culminando na legitimidade de suas ações”, diz o documento.

André Franco Montoro Filho. Foto: Instituto Butantan

André Franco Montoro Filho. Foto: Instituto Butantan

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentarios