1. Usuário
Assine o Estadão
assine


As informações e opiniões expressas neste blog são de responsabilidade única do autor.

COMER É NATURAL

hertonescobar

26 outubro 2009 | 11:23


FOTO: JOOST DANIELS – Polvo entocado entre corais

Ontem eu estava num restaurante japonês com minha mulher e ela disse (brincando) que eu não deveria comer polvo.

Motivo: Eu adoro polvos! Sou fascinado por eles. Acho que são animais fantásticos, capazes de se espremer por frestas minúsculas e mudar a cor (e a textura) de sua pele instantaneamente para se camuflar no fundo do mar. E são extremamente inteligentes também.

Isso significa que eu não deveria comê-los? É algo para se pensar…. A mesma pergunta, é claro, pode ser feita para vacas, galinhas, porcos, peixes, camarões e todos os outros animais que fazem parte da nossa alimentação diária.

Hoje em dia é muito fácil esquecer (ou nunca se dar conta) de que aquele hambúrguer de picanha, aquele peito de frango ou aquele sashimi de atum que você põe na boca e manda para dentro do estômago veio de um animal que um dia nasceu, cresceu, se alimentou, caminhou e nadou sobre a Terra. Estamos comendo partes de animais mortos!

Tenho também uma sobrinha de 10 anos que é vegetariana. Perguntei a ela a razão e ela me disse que era porque achava “nojento”.

Pensando bem, é meio nojento mesmo. Devorar um espetinho de coração de galinha não é exatamente a coisa mais graciosa do mundo. Nem roer a carne de um osso de costela gordurosa. Mas pense bem: isso é o que todos os animais fazem na natureza – comer outros seres vivos.

Tão fácil quanto esquecer que estamos comendo partes de animais é esquecer que nós somos animais também. Por mais “civilizados” que tenhamos nos tornado, continuamos fazendo parte da cadeia alimentar. Aliás, estamos no topo dela! Somos o maior predador de todos os tempos! Somos animais onívoros – comemos de tudo, animais e vegetais. O que cair na rede é peixe.

Quando você vai a uma churrascaria, está fazendo exatamente a mesma coisa que um leão faz quando abate uma gazela na savana africana. É um carnívoro devorando um herbívoro. Assim como quando você masca uma folha de alface ou de agrião não está fazendo nada diferente do que um cavalo ou uma vaca faz pastando no campo. É um herbívoro devorando uma planta. O fato de nos sentarmos à mesa e usarmos talheres não muda o princípio da coisa.

Há muitas pessoas que optam por ser vegetarianas por questões morais. Outras estão deixando de comer carne para não contribuir com o desmatamento da Amazônia (que é causado principalmente pela pecuária). Não vejo nada de errado com isso. Cada um vive a vida do jeito que quiser, desde que não prejudique os outros.

Estou apenas dizendo que é natural comermos outros animais, do ponto de vista biológico/evolutivo. (sem, com isso, ignorar os impactos ambientais, sociais e até éticos que essa cadeia alimentar pode acarretar)

Minha admiração pelos polvos não vai me impedir de devorá-los. Mas é algo para se refletir.

As informações e opiniões expressas neste blog são de responsabilidade única do autor.