Troca de comando no CNPq

Troca de comando no CNPq

Bioquímico Hernan Chaimovich dá lugar ao engenheiro Mario Neto Borges

Herton Escobar

20 Outubro 2016 | 15h23

O bioquímico Hernan Chaimovich. Foto: CNPq

O bioquímico Hernan Chaimovich. Foto: CNPq

Agora é oficial: O bioquímico Hernan Chaimovich não é mais presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Sua exoneração foi publicada hoje no Diário Oficial da União: https://goo.gl/9ZhYnh

No lugar dele entra o engenheiro Mario Neto Borges, da Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ), que já foi presidente e diretor científico da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig), e presidente do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap).

Chaimovich, de 77 anos, estava afastado da função desde meados de setembro, por problemas de saúde. Ele é professor titular aposentado do Instituto de Química da Universidade de São Paulo, e estava como presidente do CNPq desde janeiro de 2015.

Borges assume o cargo em meio a uma grave crise orçamentária, que já resultou em cortes de bolsas, cancelamentos e atrasos no pagamento de editais. A Chamada Universal, por exemplo, que é o edital mais tradicional da ciência brasileira, teve de ser cancelado em 2015; e neste ano foi lançada em janeiro (com valor previsto de R$ 200 milhões), mas até agora os resultados não foram anunciados — sendo que, pelo cronograma original, a implementação dos projetos já deveria ter começado em agosto: https://goo.gl/RxDLUZ

A implementação dos novos Institutos Nacionais de Ciência, Tecnologia e Inovação (INCTs) está ainda mais atrasada. O resultado do edital só foi divulgado em maio, com 14 meses de atraso e sem garantia de dinheiro para os 252 projetos selecionados. Agora, na semana passada (14/10), o CNPq anunciou que apenas 100 desses projetos serão financiados num primeiro momento, em parceria com Capes, Finep e fundações de amparo estaduais. “As demais propostas recomendadas no mérito que não foram contempladas entre os 100 projetos selecionados para financiamento poderão solicitar um ‘selo de reconhecimento’ e manter o status de INCT”, diz a nota divulgada pelo conselho.