Columbia marca 30 anos do programa de ônibus espaciais da Nasa

Giovanna Montemurro

12 Abril 2011 | 11h56

WASHINGTON (Efe) – O Columbia começou com sua primeira viagem a era dos ônibus espaciais. Com eles a Nasa enviou carga e tripulação para a Estação Espacial Internacional (ISS) e fez várias gerações sonharem com um voo ao espaço.

Veja também:
blogHá 30 anso, o Columbia nas páginas do ‘Estado’

especialEspecial da Nasa comemora programa de ônibus espaciais

videoVídeos da Nasa de todas as missões de ônibus espaciais

No dia 12 de abril de 1981 decolava do Centro Espacial Kennedy em Cabo Canaveral, Flórida, aquela nave em forma de avião, com um tanque alaranjado de combustível e dois foguetes de propulsão colocados de ambos os lados. Uma imagem que se repetiria mais de 130 vezes ao longo de 30 anos.

A data escolhida não foi casual. Em outro 12 de abril, 20 anos antes, o cosmonauta soviético Yuri Gagarin se tornava o primeiro homem a orbitar a Terra, abrindo caminho para a exploração espacial que completa hoje 50 anos.

Na missão STS-1, o Columbia orbitou a Terra 37 vezes antes de voltar ao planeta dois dias depois, na Base Aérea Edwards, na Califórnia. Uma missão curta se comparada com suas sucessoras, mas eficiente para dar início a uma nova era.

Somada, toda a distância percorrida pelos cinco ônibus espaciais supera 827 milhões de quilômetros, uma distância maior que a da Terra a Júpiter. O Columbia tem uma altura de mais de 37 metros, equivalente a três ônibus escolares. Ele pesa 80,8 tonelada, o mesmo que 13,4 elefantes africanos.

Como a missão Apolo XI que levou o homem à Lua no dia 20 de julho de 1969, o lançamento do primeiro ônibus espacial foi uma mostra dos incríveis resultados dos quais o homem é capaz. Desenhado para voltar à Terra e aterrissar como um planador gigante, esse foi o primeiro veículo espacial Reutilizável.

Após o Columbia a agência espacial lançou o Challenger (1982), o Discovery
(1983), o Atlantis (1985) e o Endeavour (1991). Os dois últimos estão a ponto de realizar suas missões finais antes que a Nasa os aposente este ano e ponha fim ao programa de ônibus espaciais que já levou 350 pessoas ao espaço.

Sua grande capacidade de carga permitiu o transporte da maioria dos maiores objetos que compõem o Telescópio Hubble, que revolucionou o conhecimento do homem sobre o cosmos com descobertas como a expansão do universo.

No entanto, além de sua história de sucesso científico o ônibus espacial também é marcado pela trágica perda do Challenger e do Columbia em acidentes que comoveram o mundo.

O primeiro explodiu no dia 28 de janeiro de 1986 segundos depois de seu lançamento e o Columbia se desintegrou no dia 1 de fevereiro de 2003 quando voltava para a atmosfera terrestre depois de uma missão bem sucedida de 16 dias. Nos dois acidentes morreram sete tripulantes.

O programa de ônibus espaciais foi suspenso temporariamente até a construção das naves substitutas e para que a Nasa ajustasse os protocolos de segurança, que foram intensificados, antes da volta ao espaço com mais módulos para a ISS e novos experimentos.

O Discovery, que concluiu sua última missão no dia 9 de março depois de 39 viagens, agora é disputado por museus que poderão ser o novo lar da nave. A Nasa anunciará nesta terça-feira, 12, sua decisão, coincidindo com a efeméride.