Galáxias anãs ultra compactas são aglomerados de estrelas brilhantes, afirmam cientistas

Estadão

19 Dezembro 2011 | 15h28

ESO_galaxias_anas.jpg

Um novo estudo retoma e detalha as chamadas “galáxias anãs ultra compactas” (Ultra-compact dwarf galaxies, UCDs, na sigla em inglês), consideradas pela ciência um dos objetos mais misteriosos do espaço. Uma equipe de astrônomos da Organização Europeia para a Pesquisa Astronômica no Hemisfério Sul (ESO), investigou as UCDs e chegou à conclusão de que as propriedades das galáxias anãs ultra compactas correspondem aos aglomerados de estrelas brilhantes.

De acordo com os pesquisadores, a distribuição da luminosidade das UCDs combina perfeitamente com a dos mais brilhantes aglomerados globulares de estrelas no espaço. Várias centenas de UCDs foram encontradas até o momento e, para os estudiosos, existem duas explicações para formação delas: são aglomerados de estrelas muito maciças ou galáxias anãs ‘normais’ que foram transformadas por efeitos de maré.

As UCDs são descritas como uma classe populosa e potencialmente distinta de sistemas estelares que datam de cerca de uma década atrás. Caracterizados por uma morfologia compacta, de 30 a 300 anos-luz de tamanho, e massas altas (mais de um milhão de massas solares), esses objetos espaciais são muito parecidos com as estrelas e as galáxias anãs, tanto pelo tamanho e forma quanto pela capacidade luminosa.

Veja também:

* Hubble encontra pequenas galáxias produzindo estrelas em alta velocidade