Nebulosa Helix em novas cores

Estadão

19 Janeiro 2012 | 19h02

39882_web_500.jpg

Uma nova imagem da Nebulosa Helix (NGC 7293) foi captada pelo telescópio VISTA do Observatório de Paranal, no Chile, que pertence ao Observatório Europeu do Sul (ESO). Tirada em luz infravermelha, a foto revela os filamentos de gás nebular frio que compõem a nebulosa e que são invisíveis na luz comum. Ao fundo, a beleza de estrelas e galáxias.

A Nebulosa Helix é um dos exemplos mais próximos, e mais notáveis, de uma nebulosa planetária, que são objetos complexos e compostos de poeira, material ionizado e gás molecular. Ela se encontra na constelação de Aquário a cerca de 700 anos-luz de distância da Terra.

Uma nebulosa é formada quando uma estrela, como o Sol, chega à fase final de sua vida. Incapaz de segurar as camadas exteriores, a estrela vai derramando camadas de gás que, lentamente, podem se tornar nebulosas.

De acordo com os cientistas, a Nebulosa Helix está evoluindo para se tornar uma estrela anã branca, que surge como o pequeno ponto azul visto no centro da imagem.

O anel principal tem quase dois anos-luz de diâmetro, cerca de metade da distância entre o Sol e a estrela mais próxima. No entanto, o material da Helix se espalha a partir da estrela localizada a cerca de quatro anos-luz. A foto em infravermelho demonstra isso com mais clareza, já que o gás molecular vermelho pode ser visto circundando quase toda a imagem.