Supercomputador Watson deve operar no Brasil

Giovanna Montemurro

31 Outubro 2011 | 12h26

O supercomputador Watson da IBM irá operar em breve no Brasil, segundo informações do site itweb. Seu foco dessa vez será menos divertido que sua última aparição pública: a máquina deverá ser adaptada para o uso em atendimento ao cliente e serviços públicos. A adaptação para o uso em português, que deve ser muito trabalhosa, será realizada aqui mesmo no País.

O Watson, especificamente, é uma “máquina que responde perguntas” pelas quais os pesquisadores da inteligência artificial lutaram durante dezenas de anos – um computador semelhante ao de Star Trek, que compreende as perguntas feitas numa linguagem simples e as responde.

O Watson mostrou que é imperfeito, mas os pesquisadores da IBM e de outras companhias já estão criando usos para as tecnologias do Watson que poderão influir significativamente na prática médica e na compra de produtos pelos consumidores.

Watson recebeu seu nome devido ao fundador da IBM, Thomas J. Watson. Ele já venceu dois humanos no jogo ‘Jeopardy’ esse ano. No primeiro jogo, Jennings e Rutter ganharam, respectivamente, US$4.800 e US$10.400. O computador, Watson, saiu da rodada com US$35.734. No segundo dia, Watson ganhou US$41.413, Jennings ganhou US$19.200 e Rutter chegou a apenas US$11.200. Watson foi criado com tecnologias que já estão no mercado, e não acessou a internet para responder às questões.

Por ter conseguido vencer seus adversários nos dois jogos, o computador também levou o grande prêmio de US$1 milhão para casa, ou para a IBM, que informou que doará toda a quantia para a caridade.

A competição evoca o episódio em que a IBM desenvolveu o computador Deep Blue para competir com o campeão de xadrez Garry Kasparov em 1997. O computador ganhou de Kasparov. No entanto, o formato de perguntas e respostas de Jeopardy é um tipo diferente de desafio, pois o computador terá que lidar frequentemente com sutilezas, trocadilhos e enigmas, além de ter que encontrar as respostas rapidamente. / com agências internacionais