'Adoraria dizer: agarramos ele', diz líder do projeto que busca 'partícula de Deus'

Italiano Guido Tonelli, forte candidato ao Nobel, espera encontrar elo perdido da física em um ano

Jamil Chade, de O Estado de S. Paulo,

14 Dezembro 2011 | 00h13

GENEBRA - Apesar dos avanços na pesquisa científica, ainda conhecemos uma fração do funcionamento do universo. O alerta é do italiano Guido Tonelli, um dos dois líderes do projeto Compact Muon Solenoid (CMS), do Cern, que busca o bóson de Higgs e envolve 3 mil cientistas.

O CMS é uma câmera de 12,5 mil toneladas que tira fotos – com definição de 100 milhões de pixels – de choques de prótons que percorrem um túnel à velocidade da luz.

Ao Estado, Tonelli, apontado como forte candidato ao Nobel, disse que pode levar cerca de 50 anos para descobrirmos a utilidade dessas pesquisas.

O sr. preferiria encontrar o bóson de Higgs ou revelar que ele não existe?

Para a teoria, seria importante encontrá-lo. Mas há quem torça para que não encontremos nada. Nesse caso, a teoria do funcionamento do universo teria de ser revista. Mas eu adoraria dizer: agarramos ele.

Para que serve, na prática, a pesquisa que o sr. lidera?

Para a ciência, vamos confirmar uma teoria que há décadas marca nossos trabalhos. Para um cidadão comum, é cedo para dizer o que sairá disso tudo. Sem as descobertas de Einstein, nunca teríamos um GPS no carro. Mas Einstein jamais pensou que algo como um GPS seria criado. Talvez precisaremos de meio século para saber o que estamos descobrindo hoje.

Em que estágio do desenvolvimento científico está o mundo?

As pessoas acham que, por termos tantos aparelhos novos, estamos dominando todo o conhecimento. Mas não sabemos nada. A vantagem de ser cientistas é que sabemos o tamanho da ignorância da humanidade. Se encontrarmos o bóson de Higgs um dia, teremos desvendado apenas 4% do universo.

Em quanto tempo o sr. deverá encontrar o elo perdido da física?

Espero que em um ano.

Mais conteúdo sobre:
a partícula de Deus Cern bóson de Higgs

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.