Aos 25 anos, o ônibus espacial Atlantis parte para sua missão final

Ônibus espacial decola em seu voo final, levando novo laboratório à ISS

Carlos Orsi, estadao.com.br

14 Maio 2010 | 15h20

O ônibus espacial Atlantis partiu, às 15h21 desta sexta-feira, 14, para sua última missão oficial. Ele será o primeiro ônibus espacial a ser aposentado dentro da programação, definida na administração Bush, de retirar toda a frota ainda em 2010. Nos próximos meses, Discovery e Endeavour realizarão também suas missões finais e encerrarão o programa de ônibus espaciais da Nasa, iniciado em 1981 com o primeiro voo do Columbia, a mesma nave que foi destruída na reentrada da atmosfera terrestre em 2003.  

 

Veja também:

linkEx-astronautas condenam plano de Obama

linkAtlantis leva pedaço da macieira de Newton ao espaço

blog BLOG: Bye, bye Atlantis  

mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO: Atlantis

 

No entanto, ao retornar de sua viagem de 12 dias à Estação Espacial Internacional (ISS), o Atlantis não será imediatamente enviado a um museu. Ele ficará como reserva para um eventual resgate dos astronautas que farão a missão final do Endeavour, em novembro. A Nasa aguarda, nos próximos meses, autorização da Casa Branca para aproveitar o fato de que o Atlantis estará posicionado e em prontidão na base de lançamento para enviá-lo num voo final de adeus após o retorno do Endeavour.

 

Na expectativa desse possível voo derradeiro em novembro, na decolagem o controle de missão desejou boa viagem à "primeira última tripulação do Atlantis". Após a decolagem, o comentarista da TV Nasa descreveu a partida como "um voo rumo a um histórico pôr-do-sol, em sua 32ª missão". Dez minutos após o lançamento, a nave já estava em órbita, com todos os sistemas funcionando.

 

Imagem divulgada pela Nasa, combinando fotos do lançamento e o emblema da missão final

 

O Atlantis realizou, em 25 anos, 31 voos, passando 282 dias em órbita. Percorreu 186 milhões de quilômetros, completou 4.462 órbitas da Terra, e abrigou 185 astronautas. A missão desta semana acrescentará 12 dias, 186 órbitas, 7 milhões de quilômetros e quatro astronautas a esse total.

 

O Atlantis estreou em 1985 como o quarto ônibus espacial da Nasa. Entre os pontos altos de sua carreira estão o lançamento ao espaço a sonda Magalhães, que estudou Vênus; a Galileu, para Júpiter; e o Observatório de Raios Gama Compton. Voou sete vezes até a estação espacial soviética Mir e dez vezes para a ISS. Realizou a última manutenção do Telescópio Espacial Hubble, em maio do ano passado.

 

 

A tripulação do voo desta sexta é composta por seis astronautas, todos veteranos.O comandante é Ken Ham. Esta é a segunda missão de Ham num ônibus espacial - ele já havia voado no Discovery em 2008. A missão atual é levar novas baterias e um novo aposento à ISS. Mais de 4.000 espectadores - a maior multidão em anos - foram ao Centro Espacial Kennedy e às estradas ao redor para assistir ao lançamento.

 

O novo compartimento da ISS é um módulo de 6 metros de comprimento, de fabricação russa, mas repleto de suprimentos de origem americana - incluindo computadores e comida. Há tanto material no aposento que ele só começará a ser esvaziado depois que o Atlantis partir da estação. O módulo, chamado Rassvet ("aurora", em russo) será usado como laboratório.

 

O comandante Ken Ham brinca a bordo do Atlantis, antes do lançamento. Nasa TV/Divulgação

 

Os astronautas do ônibus espacial realizarão três caminhadas espaciais para trocar baterias da ISS, além de instalar uma antena e outras peças. Eles também farão a instalação do novo módulo.

 

Mesmo com a aposentadoria dos ônibus espaciais, a ISS, cuja construção se completa neste ano, deve continuar em uso pelo menos até 2020. Enquanto uma nova geração de naves espaciais americanas não chega - o presidente Barack Obama tomou a polêmica decisão de cancelar o programa de desenvolvimento da nave Órion pela Nasa e convocar a iniciativa privada a criar alternativas de acesso à órbita - o único meio de trânsito para a estação serão as cápsulas russas Soyuz.

 

O cancelamento do programa Constellation, que previa a criação da Órion e de uma nova geração de foguetes, a Ares, atraiu forte oposição na sociedade americana. Durante esta semana, o primeiro e o último homem a pisar na Lua - Neil Armstrong e Gene Cernan, respectivamente - depuseram no Senado americano condenando o plano.

 

Cernan referiu-se aos planos do presidente, que preveem uma Nasa dedicada à criação de novas tecnologias para levar astronautas a Marte dentro de 25 anos, como uma "missão para lugar nenhum". Defensores da proposta de Obama dizem que o Constellation já estava atrasado demais para fornecer uma nova nave à Nasa em tempo hábil, e que o uso de naves privadas devolverá aos EUA o acesso independente ao espaço mais depressa do que a agência espacial seria capaz.

 

O ônibus espacial decola 'rumo ao pôr-do-sol', segundo a TV Nasa. John Raoux/AP

 

 

A decisão de aposentar os ônibus espaciais foi tomada em 2004, como parte da resposta do governo americano ao desastre do Columbia. Em 1986, outro ônibus espacial havia sido destruído com os astronautas a bordo: o Challenger, que explodiu 73 segundos após a decolagem.

 

Ao todo, a Nasa já teve cinco ônibus espaciais. O primeiro, Columbia, foi entregue à agência espacial em 1979 e voou pela primeira vez em 1981. O Challenger foi entregue em 1982, e estreou no mesmo ano. O terceiro ônibus espacial, Discovery, chegou à Nasa em 1983 e fez seu primeiro voo em 1984. O quatro é o Atlantis, entregue e usado pela primeira vez em 1985. Endeavour, o mais novo, chegou à Nasa em 1991 e fez seu voo de estreia em 1992.

 

Antes do primeiro voo do Columbia, a Nasa contou com um protótipo de ônibus espacial, o Enterprise, que recebeu o nome após uma campanha de fãs do seriado de TV Jornada nas Estrelas. Essa nave foi usada em uma série de testes, a partir de 1978, incluindo alguns voos dentro da atmosfera da Terra, mas nunca chegou ao espaço. Em 1985, o Enterprise foi entregue à Smithsonian Institution.

 

(com Associated Press)

Mais conteúdo sobre:
atlantis nasa ônibus espacial

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.