Divulgação
Divulgação

Aroma do champagne vem das bolhas, descobrem cientistas

Algumas das substâncias que dão aroma aos vinhos são capturadas pelas bolhas e levadas para a superfície

AP,

28 Setembro 2009 | 17h25

Uma equipe de pesquisadores na Europa descobriu que as bolhas do champagne não apenas fazem cócegas no nariz, como também criam uma névoa que exala o aroma para o bebedor.

 

"Eu adoro a ideia de um mecanismo maravilhoso e sutil que atua bem abaixo de nossos narizes enquanto experimentamos um champagne. Em um único copo de champagne, há alimento para a mente e prazeres para os sentidos", disse o pesquisador Gerard Liger-Belair da Universidade de Reims Champagne-Ardenne na França.

 

Liger-Belair e seus colegas usaram espectrometria de massa de alta resolução para estudar as substâncias químicas presentes no champagne, nos vinhos espumantes, em suas bolhas e na névoa que produzem.

 

Enquanto os aromas que se elevam dos vinhos espumantes são bem conhecidos, o estudo mostra de maneira mais detalhada como eles chegaram lá, disseram os pesquisadores.

 

Eles descobriram que algumas das substâncias que dão aroma aos vinhos são capturadas pelas bolhas e levadas para a superfície em maior concentração que no champanhe em si, afirmam os cientistas na Proceedings of the National Academy of Sciences.

 

Isso significa que o champanhe é mais cheiroso que gostoso? Liger-Belair e os outros pesquisadores ficaram tentados a chegar a essa conclusão, mas sendo um físico ele não é um especialista na ciência dos aromas e dos sabores, disse.

Mais conteúdo sobre:
Champagne

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.