Astronautas conferem segurança do Discovery para volta à Terra

Defeito na antena da nave faz com que inspeção da blindagem térmica seja antecipada

Associated Press

16 Abril 2010 | 15h08

Astronautas a bordo do ônibus espacial Discovery puseram um transportador de carga e volta na nave e em seguida avaliaram o veículo para garantir que seja seguro usá-lo no retorno à Terra.

 

Com a visita à Estação Espacial Internacional (ISS) aproximando-se do final, os astronautas finalmente conseguiram levar o transportador - e sua carga de 2,5 toneladas de lixo e equipamento usado - para o compartimento do ônibus espacial. O trabalho deveria ter sido realizado na quinta-feira, mas problemas com os fechos do transportador adiaram sua remoção da ISS.

 

O problema consumiu tanto tempo na quinta que o controle de missão autorizou os astronautas a dormir antes de retomar a atividade, na sexta.

 

Câmera em braço-robô inspeciona o revestimento do ônibus espacial. Nasa TV/Reuters

 

Logo após acordar, Stephanie Wilson  e o japonês Naoko Yamazaki usaram o braço robótico da estação para levar o transportador até seu local de destino.

 

Em seguida, Dorothy Metcalf-Lindenburger e seus colegas usaram o braço robótico do ônibus espacial para inspecionar as asas e o nariz da nave. O procedimento, com duração de quatro horas, normalmente é realizado após o desacoplamento. Mas uma falha na antena principal do Discovery, registrada no dia do lançamento, 5 de abril, levou a Nasa a decidir antecipar a operação, para que todos os arquivos com as imagens da inspeção possam ser transmitidas pelas antenas da ISS.

 

A agência espacial quer ter certeza de que o escudo de calor da nave não sofreu danos causados por lixo espacial e que possam pôr em risco a vida dos tripulantes na viagem para a Terra. O Discovery deve deixar a ISS no sábado e pousar na Flórida na segunda-feira.

Mais conteúdo sobre:
nasa discovery estação espacial espaço

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.