Bento 16 condena corrupção e tráfico de drogas no México

O Papa Bento 16 condenou o tráfico de drogas e a corrupção no México, durante uma grande missa ao ar livre neste domingo, pedindo às pessoas que deixem de lado a violência e os sentimentos de vingança, no país onde uma guerra assassina entre cartéis já levou a milhares de mortes.

PHILI, REUTERS

25 Março 2012 | 17h17

No seu último dia no México, o papa celebrou uma missa para uma multidão vibrante, que os organizadores estimaram em 300 mil pessoas, num parque nos arredores de Leon, no centro do México, foi o maior número de presentes na sua viagem à América Latina.

O papa, de 84 anos, vestindo vestes roxas e brancas, recheou o sermão, que ele leu do alto de um imenso altar numa plataforma numa encosta, com palavras como conversão e reconciliação.

Muitos na multidão cobriram suas cabeças com chapéus, lenços e guarda-chuvas, para se proteger do sol escaldante, enquanto papa Bento rezava para que os mexicanos tenham a força "para promover corajosamente a paz, a harmonia, justiça e solidariedade."

Mais tarde, falando durante a sua oração de meio-dia de domingo, ele disse que os mexicanos devem buscar a sua fé, "nesse momento em que muitas famílias estão separadas ou sendo forçadas a imigrar, quando tantos sofrem devido à pobreza, corrupção, violência doméstica, tráfico de drogas, crise de valores e aumento da criminalidade."

O Papa também os encorajou a deixar de lado "ações fúteis de vingança" e a acabar com todo o ódio.

Longas filas de pessoas, muitas rezando, cantando e carregando fotos do líder dos 1,2 bilhões de Católicos Apostólicos Romanos do mundo. Seu antecessor Papa João Paulo, visitou a região cerca de uma vez por ano.

O Arcebispo de Leon, José Martin Rabago, deu o tom do dia, enumerando os sofrimentos de um país onde confrontos entre os cartéis de drogas e o país já causaram a morte de mais de 50 mil pessoas nos últimos cinco anos.

"Nos últimos anos temos passado por eventos de violência e morte, que geraram uma dolorosa sensação de desamparo, medo e tristeza," disse Rabago ao papa e à multidão, durante seu discurso de boas vindas.

O arcebispo condenou o que ele chamou de "raízes perversas" dos problemas do México, explicando que são a pobreza, falta de oportunidades, impunidade, injustiça e a crença de alguns que o objetivo da vida seria acumular bens e poder.

Mais conteúdo sobre:
RELIGIAO PAPA MEXICO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.