Tony Gentile/Reuters
Tony Gentile/Reuters

Bento XVI exonera judeus de serem os culpados pela morte de Jesus

Declaração está presente no livro que o pontífice irá lançar ainda neste mês

EFE,

02 Março 2011 | 13h14

Cidade do Vaticano, 2 mar (EFE).- O papa Bento XVI exonera os judeus de serem os culpados por Jesus ter sido condenado à morte na segunda parte de seu livro "Jesus de Nazaré", que será lançado no dia 10 de março.

No livro, que nesta quarta-feira o Vaticano adiantou alguns capítulos, o Pontífice assinala que, quando no Evangelho de Mateus se fala que "todo o povo" pediu a crucificação de Cristo, "não se expressa um fato histórico".

"Como seria possível todo o povo (judeu) estar presente nesse momento para pedir a morte de Jesus?", questiona o papa teólogo, que reconhece que essa errônea interpretação teve consequências "fatais", em referência às contínuas acusações de deicídio aos judeus durante séculos, que propiciou sua perseguição.

Bento XVI acrescenta que a "realidade" histórica aparece mais correta nos evangelhos de João e Marcos.

"Segundo João, foram simplesmente os judeus, mas essa expressão não indica nada que se tratasse do povo de Israel como tal e menos ainda que tivesse um caráter racista. João era israelita, como Jesus e todos os seus. Em João essa expressão tem um significado preciso e rigorosamente limitado, se refere à aristocracia do templo (de Jerusalém)", escreve o papa.

"O verdadeiro grupo dos acusadores são os círculos contemporâneos do templo e a massa que apoiava Barrabás", precisa, de maneira categórica.

Sobre a frase de Mateus "E todo o povo respondeu: Que seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos" (Jesus perante Pilatos e frente a Barrabás), Bento XVI assinala que o cristão lembrará que o sangue de Jesus "fala outro idioma diferente do de Abel".

"Não pede vingança, nem castigo, mas reconciliação. Não é derramada contra alguns, mas se verte para todos. Não é maldição, mas redenção e salvação", ressalta o bispo de Roma.

O Concílio Vaticano II (1962-1965), que lançou à Igreja em direção ao século XXI, promulgou a declaração "Nostra Aetate", com o fim dos católicos retiraram as acusações de deicídio contra os judeus.

No texto, o papa assinala que Jesus não foi um "revolucionário político" e que sua mensagem e seu comportamento não constituíram um perigo para o domínio romano.

Bento XVI indica que sobre a data da Última Ceia os evangelhos sinóticos (Marcos, Lucas e Mateus) estão equivocados e quem leva a razão é João, já que no momento do processo Jesus as autoridades não tinham realizado a páscoa e deviam se manter puras.

O papa afirma que a Última Ceia não foi um jantar pascal segundo o ritual judeu e que Cristo não foi crucificado no dia da festa judaica, mas na vigília.

Sobre a figura de Judas, Bento XVI escreve que Satanás entrou nele e não conseguiu libertar-se e explica que, além da traição, sua segunda tragédia foi não conseguir crer no perdão.

"Seu arrependimento se tornou desespero. Só se vê a si mesmo e suas trevas, não vê mais a luz de Jesus. Seu arrependimento é destrutivo, não verdadeiro", afirma o papa.

No livro também se refere ao Reino de Deus e assegura que só a verdade pode levar à libertação do ser humano e que as grandes ditaduras unicamente vivem graças à mentira ideológica.

A segunda parte do livro "Jesus de Nazaré", que será apresentado no dia 10 de março no Vaticano, é dedicada à paixão, morte e ressurreição de Cristo, os momentos mais decisivos na vida de Jesus, segundo o papa.

O volume será editado pela Libreria Editora Vaticana (LEV), que tem todos os direitos autorais de Bento XVI, e estará disponível em sete idiomas, entre eles o português.

Segundo o porta-voz vaticano, Federico Lombardi, o papa está escrevendo já a terceira parte do livro, dedicada à infância de Jesus e sobre o início de sua pregação.

A primeira parte de "Jesus de Nazaré", de 448 páginas, foi apresentada pelo Vaticano no dia 13 de abril de 2007 e nela o pontífice mostrou um Jesus "real", e afirmou que Cristo é uma figura "historicamente sensata e convincente".

*Texto atualizado às 15h55.

Mais conteúdo sobre:
Bento XVI religião

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.