Marcio José Sanchez/AP
Marcio José Sanchez/AP

Cachorros imitam a personalidade de seus donos, aponta pesquisa

Segundo estudo, resultados comprovam o que é visto na prática: cães e homens são pares sociais e influenciam um ao outro na maneira de lidar com o estresse

O Estado de S.Paulo

16 Fevereiro 2017 | 14h07

VIENA - Melhor amigo do homem, o cachorro desenvolve uma personalidade parecida com a do seu dono. Pelo menos é o que mostra uma pesquisa de cientistas austríacos publicada na revista científica online PLOS ONE e divulgada no portal da rede britânica BBC.

Segundo o estudo, que fez testes com mais de 100 cães e seus donos, alguns animais expressam a ansiedade e a falta de confiança dos humanos, enquanto outros, tranquilos e amigáveis, conseguem ajudá-los a lidar melhor com o estresse.

De acordo com a BBC, os pesquisadores mediram os batimentos cardíacos dos cachorros e a resposta a ameaças, além de colher amostras de saliva para calcular os níveis de cortisol. Considerada o hormônio do estresse, a substância controla o biorritmo, reduz inflamações e estimula a imunidade.

Os donos dos pets foram então avaliados de acordo com cinco características de personalidade: neuróticos, extrovertidos, abertos às experiências, afáveis e conscientes.

A personalidade dos cachorros também foi avaliada por meio de um questionário aplicado a seus donos.

Imitação de emoções. A pesquisadora Iris Schöberl, da Universidade de Viena, disse à BBC que tanto donos como cachorros influenciaram seus respectivos mecanismos de imitação, mas o ser humano se mostrou mais influente do que o cão.

"Nossos resultados comprovam aquilo que vemos na prática: os cães e seus donos são pares sociais e influenciam um ao outro na maneira como lidam com o estresse", afirmou a cientista à BBC.

Schöberl destacou que os cachorros são sensíveis aos estados emocionais dos seus donos e que podem imitar suas emoções. Eles conseguem captar a informação emocional das pessoas e ajustar seu comportamento de acordo com ela. 

Mais conteúdo sobre:
BBC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.