Lucinéia Nunes/Estadão
Lucinéia Nunes/Estadão

Cães são mais inteligentes do que gatos, mostra pesquisadora brasileira

Caninos têm mais do que o dobro de neurônios do que os felinos, diz pesquisadora brasileira Suzana Herculano-Houzel

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

01 Dezembro 2017 | 17h06

RIO - Uma cientista brasileira parece ter finalmente respondido a uma daquelas grandes questões da Humanidade: Afinal, quem é mais inteligente? Cães ou gatos? 

+++ Cachorro ‘impaciente’ toca buzina sem parar em parque no Canadá

+++ As 10 raças de cachorro preferidas pelos brasileiros

Pela primeira vez, os cientistas estudaram não apenas o tamanho do cérebro dos animais, mas o número de neurônios em seu córtex cerebral. Embora os gatos costumem exibir um certo ar de superioridade intelectual, os cachorros têm mais do que o dobro de células neuronais. São cerca de 530 milhões de neurônios contra 250 milhões, de acordo com o novo estudo publicado na “Frontiers in Neuroanatomy”. O homem tem 16 bilhões.

+++ O Divirta-se convocou dois cães – um pequeno e um grande – para testar casas ‘pet friendly’

“O número absoluto de neurônios que um animal tem determina sua capacidade cognitiva”, afirma Suzana Herculano-Houzel, professora de Psicologia e Ciências Biológicas na Universidade Vanderbilt, no Tenessee, e dona de dois cachorros. “Espera-se que, com mais neurônios, a capacidade do cão seja maior, uma vez que eles têm mais unidades de processamento de informação; especialmente no córtex, que é a parte do cérebro que copia informações, faz associações, reconhece padrões, lembra de experiências anteriores e faz planos para o futuro, ou seja, tudo o que chamamos de capacidades cognitivas superiores.”

+++ Cadelinha resgatada não consegue parar de 'sorrir' depois de tosa

A especialista explica que não há como medir a inteligência – algo subjetivo e difícil de ser feito. Mas, afirma, “os resultados mostram que os cães têm a capacidade biológica de fazer coisas mais complexas do que os gatos.”

No novo estudo, os pesquisadores analisaram os cérebros de furões, mangustos, guaxinins, gatos, cachorros, hienas, leões e ursos marrons. Todos pertencem à ordem dos carnívoros, que inclui mamíferos que têm dentes e garras e são capazes de comer outros animais. A ordem foi escolhida porque apresenta uma grande variedade de tamanhos de cérebros e inclui tanto animais domésticos quanto espécies selvagens.

+++ Ter um cachorro diminui risco de doenças cardiovasculares, comprova estudo

O cérebro de um golden retriever tem muito mais neurônios do que o da hiena, do leão e mesmo do urso marrom – embora esses animais tenham um cérebro até três vezes maior. O urso marrom, especificamente, tem praticamente o mesmo número de neurônios apresentado pelos gatos, mesmo tendo um cérebro até dez vezes maior que o do felino. 

+++ Cientistas analisam cérebro de cães e concluem que eles também são 'pessoas'

“Ursos têm um corpo enorme, o que quer dizer que precisam de muita energia: mas são onívoros, comem poucas calorias”, explica Suzana. “Talvez não contem com energia suficiente para ter um corpo grande e um número elevado de neurônios; não há energia para tudo, algo vai pagar o preço. O leão vai na mesma direção: tem menos neurônios que o golden.”

+++ Voluntários fazem baile de cachorros idosos para promover adoção

A quantidade de neurônios encontrada no cérebro dos cachorros pode ser também uma boa explicação para sua versatilidade. Os cães ocupam os mais diversos papéis na sociedade, na polícia, em operações de resgate, como acompanhantes e companhia. Segundo Suzana, no entanto, não há razão para os donos de gatos ficarem chateados.

“Muitos donos de gato tomaram o estudo como um insulto pessoal”, diz a pesquisadora. “Ora, podemos gostar dos dois do mesmo jeito, não importa quantos neurônios têm.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.