Nature
Nature

Camundongos infectados por zika têm redução no tamanho de testículos

Animais também tiveram diminuição de espermatozoides; mais estudos são necessários para saber se há danos em humanos

Fábio de Castro, O Estado de S. Paulo

31 Outubro 2016 | 18h50

Com um experimento em camundongos, um grupo de cientistas dos Estados Unidos descobriu que o vírus da zika pode reduzir o tamanho dos testículos dos animais adultos infectados, alterando a produção de hormônios e diminuindo o número de espermatozoides.

O novo estudo, publicado nesta segunda-feira, 31, na revista Nature, foi liderado por Michael Diamond, da Escola de Medicina da Universidade de Washington, em Saint Louis (Estados Unidos). 

Segundo os autores, camundongos machos infectados com o vírus da zika tiveram danos nos tecidos associados à redução do tamanho dos testículos, de dois hormônios sexuais e do número de espermatozoides no sêmen. Eles afirmam, no entanto, que será preciso realizar novos estudos para saber se essas consequências podem ser estendidas também a humanos infectados pelo vírus.

Além da transmissão por mosquitos, o vírus da zika pode ser transmitido sexualmente e já foi detectado no sêmen de homens afetados por longos períodos de tempo. Já foi demonstrado também em estudos anteriores que, em camundongos machos adultos, a infecção por zika chega até os testículos.

A equipe liderada por Diamond conduziu um estudo longitudinal para avaliar os efeitos da infecção por zika no aparelho reprodutivo de camundongos machos. 

Sete dias após a infecção, o vírus foi detectado nos testículos e no epidídimo - um duto que coleta, armazena e transporta os espermatozoides produzidos pelo testículo. Depois de 14 dias, o vírus estava presente em altas concentrações em todo o sistema reprodutivo da maioria dos camundongos, segundo o estudo. 

Os pesquisadores detectaram uma "notável redução no tamanho e peso dos testículos", entre os animais infectados com zika em comparação aos animais do grupo de controle. A infecção também produziu danos nos túbulos seminíferos - parte dos testículos onde os espermatozoides são produzidos -, além dos danos no epidídimo.

Os autores da pesquisa detectaram ainda, nos camundongos infectados, níveis reduzidos de testosterona e de inibina B, dois hormônios produzidos nos túbulos seminíferos e considerados fundamentais para a produção de esperma.

Além desses resultados, os cientistas realizaram estudos preliminares de fertilidade nos camundongos. Eles revelaram taxas reduzidas de gravidez e de fetos viáveis em fêmeas que acasalaram com machos infectados com o vírus da zika, em comparação às que acasalaram com machos não infectados.

Os autores destacam que os experimentos foram realizados exclusivamente em camundongos e que ainda será necessário realizar mais estudos para determinar em que extensão esses resultados podem ser extrapolados para humanos.

"Permanece incerto até que ponto o que foi observado em camundongos pode se traduzir também em humanos. Mas novos estudos longitudinais de função e viabilidade dos espermatozoides em humanos infectados com zika parecem ser uma necessidade", escreveram os autores.

Mais conteúdo sobre:
Estados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.