Casais gays oficializam uniões na Argentina

Reforma do Código Civil que iguala direitos de homossexuais e heterossexuais gera corrida por casamentos

EFE, O Estado de S.Paulo

31 Julho 2010 | 00h00

Um avô e um aposentado fazem parte dos dois primeiros casais homossexuais que oficializaram sua união ontem, após a aprovação da lei na Argentina que permitiu o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo.

Os primeiros a se casarem foram o aposentado Miguel Angel Calefato, de 65 anos, e o arquiteto José Luis David Navarro, de 54, em Frías, uma cidade de 20 mil habitantes na província de Santiago del Estero, no norte do país. "Estamos juntos há 27 anos, então isso, para nós, é apenas uma cerimônia legal. Mas foi uma grande vitória a aprovação da lei", afirmou Navarro a uma rede de TV local.

Na capital Buenos Aires, o empresário de artistas Alejandro Vanelli, um avô de 61 anos, e o ator Ernesto Rodríguez Larrese, de 60, oficializaram sua união no mesmo cartório onde tiveram a união negada três anos atrás. Como padrinhos, o casal contou com vários atores conhecidos na Argentina.

"Quero dizer a todos os homofóbicos que não acontecerá nada que os prejudique", afirmou Larrese, logo após dizer o sim. Os dias que antecederam a votação da lei foram marcados por inúmeros protestos organizados pela Igreja Católica, religião majoritária na Argentina, e por organizações contrárias à medida.

Vanelli cumprimentou seus netos e expressou orgulho por estar entre os primeiros a fazer valer a nova legislação, votada pelo Senado após extenso debate no dia 15 e pioneira na América Latina. A lei, que reforma o Código Civil ao trocar a fórmula "marido e mulher" por "contraentes", tem alcance nacional e iguala os direitos dos casais homossexuais e heterossexuais, incluindo os direitos de adoção, de herança e de benefícios sociais.

"Não pensamos em adotar, mas estamos totalmente de acordo com a possibilidade de adoção de qualquer casal que esteja em condições de fazê-lo", completou Navarro.

Corrida. A aprovação da lei gerou uma corrida no país entre os casais gays. Vanelli e Larrese seriam os primeiros a se casarem, no próximo dia 13, mas, ao ficarem sabendo que casais do interior planejavam oficializar sua união antes dessa data, adiantaram a cerimônia. Mesmo assim, o casamento ocorreu após o realizado na cidade de Frías. Navarro se disse surpreso com o adiantamento e afirmou: "o nosso estava programado."

Mas, no final das contas, nenhum desses dois casais pode ter sido o primeiro a se beneficiar da nova lei. Segundo a diretora do Registro Civil da cidade de Mendoza, Olga Videla, não foi cumprido o prazo de oito dias úteis após a publicação de uma lei no Diário Oficial argentino. Em sua opinião, a lei passa a vigorar somente hoje e, por isso, ambas as cerimônias seriam "ilegais" e "inconstitucionais".

Um casal de chilenos antecipou para a meia-noite de hoje a sua cerimônia de casamento, na esperança de ser o pioneiro no país. Giorgio Nocentino, designer de 44 anos, e Jaime Zapata, comerciante de 52, vivem juntos há 22 anos e decidiram adiantar por algumas horas a cerimônia, inicialmente prevista para a manhã de hoje, e assim garantir o primeiro lugar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.