Nasa/JPL-Caltech
Nasa/JPL-Caltech

'Cidadãos cientistas' descobrem 5 'super-Terras' na órbita de estrela

Projeto lançado em 2017 contou com ajuda de pessoas comuns para analisar a grande quantidade de dados do telescópio Kepler

Fábio de Castro, O Estado de S.Paulo

15 Janeiro 2018 | 19h04

SÃO PAULO - Cinco novos planetas foram descobertos na órbita de uma estrela distante por um projeto de "ciência do cidadão", como são chamadas as iniciativas científicas que contam com a participação de pessoas comuns para produzir conhecimento científico de verdade. A informação foi divulgada pela Nasa, a agência espacial dos Estados Unidos.

+++ Nasa vai captar imagens dos limites da atmosfera em nova missão espacial

De acordo com a Nasa, é a primeira vez que um sistema com vários planetas é descoberto por um projeto realizado exclusivamente dentro do conceito de ciência do cidadão. Os resultados foram publicados na revista científica The Astronomical Journal.

+++ 'Superlua do ano-novo' foi a segunda mais brilhante desde 2000

O projeto, chamado Exoplanet Explorers, faz parte da plataforma Zooniverse, que utiliza dados do telescópio espacial Kepler. A plataforma permite que pessoas comuns ajudem a Nasa a analisar a imensa quantidade de informação captada pelo Kepler. 

+++ Cientistas descobrem nova 'super-Terra' na órbita de estrela vizinha

Na busca por exoplanetas, o Kepler observa o céu em inúmeras direções, medindo o brilho das estrelas. Quando há um planeta na órbita de uma estrela, sua passagem diante dela causa uma redução minúscula de seu brilho - que o cientistas chamam de "trânsito". 

Quando os instrumentos extremamente sensíveis do Kepler detectam um trânsito diante de uma estrela, ela é "marcada" para que os astrônomos possam analisá-la individualmente e decidir se ali há mesmo um candidato a exoplaneta.

Lançado em 2009 com a missão de descobrir exoplanetas - como são chamados os planetas que existem fora do Sistema Solar - o Kepler já identificou quase 4,5 mil candidatos a exoplanetas, dos quais 2.341 foram confirmados. 

O Kepler, porém, possui dados de quase meio milhão de estrelas e a maior parte ainda não foi analisada pelos cientistas. Por isso, os dados do telescópio espacial foram incluídos no projeto Exoplanet Explorers, desenvolvido pelos cientistas Ian Crossfield, da Universidade da California em Santa Cruz, e Jessie Christiansen, da Caltech - ambos dos Estados Unidos.

"As pessoas podem se conectar à plataforma em qualquer lugar e aprender como são os sinais reais emitidos por um exoplaneta. Depois, elas têm acesso aos dados reais coletados pelo telescópio Kepler e avaliam se eles podem ser classificados como um sinal de trânsito, ou se é apenas ruído", explicou Jessie. "Tivemos cada sinal de trânsito potencial observado por um mínimo de 10 pessoas e cada um precisou de um mínimo de avaliações positivas de 90% para que o candidato a exoplaneta possa ser cogitado para uma caracterização mais precisa", disse a cientista.

No início de abril de 2017, duas semanas após o lançamento do protótipo inicial do Exoplanet Explorers no Zooniverse, ele foi apresentado por Jessie e Crossfield no programa de TV Stargazing Live, da emissora australiana ABC Australia. Nas primeiras 48 horas após a veiculação do programa, o projeto recebeu mais de 2 milhões de classificações de mais de 10 mil usuários.

De volta à Califórnia, a dupla de cientistas se reuniu com o astrônomo Geert Barentsen, da Nasa, que também viajara à Austrália, para examinar os resultados obtidos pelo público. Meses depois, eles voltaram à Austrália para uma segunda edição do programa televisivo e apresentaram os candidatos a exoplanetas localizados até ali: 44 planetas do tamanho de Júpiter, 72 do tamanho de Netuno, 44 do tamanho da Terra e 53 "super-Terras", isto é, planetas maiores do que a Terra e menores do que Netuno.

Os astrônomos então focaram a busca em estrelas que tinham sinais da presença de mais de um planeta. Depois da validação dos dados, eles voltara ao programa da TV australiana para a terceira e última edição dedicada ao projeto. Eles descobriram uma estrela com a presença de quatro exoplanetas. Três dos quatro tinham avaliações positivas de 100% dos participantes.

 

K2-138

Depois do anúncio da descoberta, os cientistas continuaram a trabalhar para caracterizar o novo sistema planetário, batizado de K2-138 e, além de concluírem que a estrela tinha mesmo quatro planetas em sua órbita, descobriram um quinto exoplaneta que ainda não havia sido identificado.

Segundo os astrônomos, a estrela mãe do sistema K2-138 é um pouco menor e mais fria do que o Sol. Os cinco exoplanetas descobertos têm dimensões maiores do que a da Terra e menores do que as de Netuno. O planeta B, segundo os cientistas, pode ser rochoso, mas os planetas C, D, E e F provavelmente contenham grandes quantidades de gelo e gás. Os cinco planetas têm períodos orbitais - isto é, o tempo necessário para dar uma volta em torno da estrela - de 13 dias e são incrivelmente quentes, com temperaturas superficiais de 420ºC a 980ºC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.